As temperaturas caem e quem mais sente é a pele

As temperaturas estão baixando e a tendência é o tempo ficar mais seco. Estas são condições ideais para o ressecamento e descamação da pele.

Comentar
Compartilhar
19 JUN 2016Por Da Reportagem14h00
Foto: Divulgação

Sem contar que, no tempo frio, usamos a água do banho mais quente. Por isso, é preciso intensificar o uso de cremes específicos, tanto no rosto como no corpo.

Inverno é tempo também de dermatites e descamações causadas pelo vento frio e aumento da concentração de poluentes no ar. A pele fica ressecada, vermelha, irritada e muito dolorida. 

A tendência é as glândulas sebáceas produzirem menos gordura e ainda há o atrito das roupas de inverno com a pele. Por isso é preciso rever os hábitos de higiene e cuidados com a pele.

As mudanças devem ocorrer a partir da escolha do sabonete. Prefira aqueles que contêm substâncias calmantes e extratos vegetais, como hamamélis, calêndula, amêndoas, karitê, semente de uva, entre outros.

Evitar banhos demorados e esfregar a pele com bucha. 

Os especialistas explicam que para o rosto, mesmo pessoas com pele oleosa devem evitar produtos muito agressivos na higienização (e hidratar após com séruns imediatamente), para não apresentarem o rebote da oleosidade e até a formação da dermatite seborreica (descamação com coceira e vermelhidão). As peles mais secas e sensíveis devem utilizar loções de limpeza sem sabão e é obrigatório que haja sempre, logo pela manhã antes de sair de casa, a hidratação acompanhada de fotoproteção. A pele seca merece uma atenção especial porque é um tipo de pele que sempre se deve tomar muito cuidado porque ela envelhece precocemente, é uma pele que deve ser cuidada diariamente. Durante a época do inverno, esses produtos devem ser enriquecidos, ou seja, suas formulações devem ter uma textura mais voluptuosa, mais rica, que realmente forme um filme sobre a pele, uma parede de defesa que consiga repor e segurar para evitar a perda transepidérmica de água.

E falando em água, beba com frequência. É um engano pensar que o organismo precisa de água somente no verão.  Independente do tipo de pele, é importante apostar em ativos que reponham os fatores naturais de hidratação, como o ácido hialurônico, silício, Vitamina B3 aliada a bioenergizantes mitocondriais que protege a pele durante condições extremas e estimula as suas defesas naturais. Tais cuidados evitam as asperezas, as alergias e a coceira na pele por ressecamento e a desidratação constante que leva à perda da elasticidade e aa capacidade de sustentação dos tecidos. 

Em caso de ressecamento ou irritabilidade, a indicação é a de utilizar água termal rica em oligoelementos como magnésio, zinco, silício, selênio, enxofre, pois ajudam a regularizar o pH e promover rápida hidratação associada ao efeito calmante. A água termal pode ser utilizada pela manhã, após a higienização e antes do hidratante matinal; e à noite, após a higiene da pele, antes da aplicação dos nutritivos. 

Apesar da menor incidência do calor, o filtro solar deve ser usado diariamente independentemente da estação do ano e mesmo se o dia está nublado, chuvoso ou encoberto; a radiação UV até em um dia 100% encoberto só é barrada em 30% e 70%. O fotoprotetor deve ser reaplicado a cada duas horas em exposição direta ao sol e a cada quatro horas em ambientes fechados.

O uso de fotoprotetor deve ser associado a antioxidantes e substâncias que estimulem a produção de colágeno. Lembrando que existe uma infinidade de produtos no mercado nesta linha de ação, inclusive itens de maquiagem acrescidos de tais substâncias, no entanto é sempre melhor consultar o dermatologista que indicará o produto ideal para o seu tipo de pele e necessidade.

Não podemos esquecer da hidratação corporal. Preferencialmente, logo depois do banho, aplicar uma generosa camada de hidratantes ricos em óleo emulsificantes, ureia, ácido hialurônico e lático, extratos vegetais e vitaminas.

Tais cuidados garantem não somente a beleza da pele, mas também a saúde e bem-estar.