Operação da guarda portuária inibe furtos de cabos elétricos do porto de Santos

A Operação Curto Circuito destacou quarenta guardas portuários para o reforço na vigilância. São quatro equipes de dez guardas em turnos de revezamento de doze horas

Comentar
Compartilhar
02 JUL 201517h07

A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) reforçou a vigilância do sistema de transmissão de energia para o Porto de Santos. O trabalho recebeu o nome de “Operação Curto Circuito” e, em mais de um mês de vigência, zerou as ocorrências dos furtos de cabos elétricos nas linhas. A Operação conseguiu recuperar cerca de 12 mil metros de cabos que estavam escondidos na mata.

Estabelecida em 28 de maio, a Operação Curto Circuito destacou quarenta guardas portuários para o reforço na vigilância. São quatro equipes de dez guardas em turnos de revezamento de doze horas. 

O trabalho está sendo feito em cerca de 30 quilômetros de extensão das linhas de transmissão de energia que ligam a Usina Hidrelétrica de Itatinga, em Bertioga, ao Porto de Santos. A Guarda Portuária utiliza viaturas, tipo caminhonete e motocicletas, para o serviço realizado em áreas consideradas de difícil acesso, em meio a morros de mata fechada, onde o patrulhamento é feito a pé.

A Usina Hidrelétrica de Itatinga, administrada pela Codesp, é responsável pela maior parte do abastecimento de energia no Porto de Santos, complementado pela Companhia Piratininga de Força e Luz (CPFL). Além do reforço na vigilância, a Codesp também está efetuando um diagnóstico completo em toda a extensão das linhas, verificando as condições em cada uma das 168 torres. Os cabos de cobre estão sendo substituídos por cabos revestidos de aço, de menor valor financeiro.

O inquérito e as investigações para se chegar aos autores dos furtos e aos receptadores foram centralizados na Divisão de Investigações Gerais (DIG) da Polícia Civil em Santos. O diretor presidente da Codesp, Angelino Caputo, ressalta que, a pedido da Autoridade Portuária, a Polícia Federal também está participando das investigações, conjuntamente com a Polícia Civil. A Polícia Militar, a Marinha e a Aeronáutica (devido a um trecho da linha de transmissão passar pela Base Aérea de Santos) também estão atuando na prevenção de novas ocorrências. “Além da ação da Guarda Portuária é importante a participação dos demais órgãos de segurança, pois aquelas áreas são de vital importância para o país”, diz Angelino Caputo. O tema é pauta da Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis do Estado de São Paulo (Cesportos/SP).

Colunas

Contraponto