Banner gripe

Motoristas da Piracicabana ameaçam greve na segunda

Decisão ocorre hoje em assembleia. Categoria aceitou 8% de reajuste e rejeitou o vale-alimentação de R$ 14,00. Estado de greve da categoria foi declarado no último dia 6

Comentar
Compartilhar
13 JUN 201410h52

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Santos e Região faz assembleia hoje para os empregados da Piracicabana debaterem greve a partir da próxima segunda-feira.
Na sexta-feira passada, a categoria decretou estado de greve e o sindicato fez a comunicação  aos usuários, conforme prevê a lei de greve (7783/1989).

O impasse, segundo informa o Sindrod, está em apenas R$ 2 no vale-refeição dos 4 mil empregados da empresa. Com data-base em maio, o pessoal reivindica vale-refeição de R$ 16, mas a empresa oferece R$ 14.

O reajuste de 8% nos salários e demais benefícios, oferecido pela companhia, os trabalhadores aceitam. A assembleia será na sede do sindicato, na Avenida Conselheiro Nébias, 262, Santos.

Se impasse persistir, motoristas podem decidir pela greve no transporte (Foto: Matheus Tagé/DL)

Com o prefeito

Na tarde da última  sexta-feira, o presidente e o vice do sindicato, Valdir de Souza Pestana e José Alberto Torres Simões Betinho, estiveram com o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB).

Acompanhados por parte da comissão de trabalhadores eleita na primeira assembleia da campanha salarial, em fevereiro, eles pediram apoio do prefeito à reivindicação. “Quero deixar bem claro que não fomos lá propor aumento de tarifa, como muitos podem pensar”, esclarece Pestana. “Fomos apenas solicitar apoio político”.

Copa do Mundo

O vice-presidente Betinho ressalta não se tratar de “movimentação oportunista pela copa do mundo, mas sim de data-base para renovação de acordo coletivo de trabalho anual”.

O sindicalista explica que a tramitação do processo com base na lei de greve deve-se ao fato da categoria de transporte coletivo ser considerada essencial ao público.

Números

A empresa opera com 410 ônibus intermunicipais, 300 municipais em Santos, 75 em Praia Grande e 36 em linhas que servem a área continental de São Vicente e Cubatão. 

O total de 810 veículos, contados também os de reserva especiais, transportam 250 mil passageiros por dia ou 7 milhões e 500 mil mensais, segundo apurou o sindicato junto à empresa. 

Dos 4 mil empregados, 1.700 são motoristas e os demais ficam divididos entre pessoal administrativo, de manutenção, operacional e vendedores de bilhetes.

Colunas

Contraponto