Canoístas de Guarujá conquistam cinco medalhas em Campeonato mundial de Va’a

Fernanda Guimarães, Roberto Petrauskas, Luis Fernando Guimarães e Marcelo Andreoni, que recebem Bolsa Atleta, voltaram do Rio de Janeiro com dois ouros, duas pratas e um bronze

Comentar
Compartilhar
27 AGO 201414h59

Nas águas da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, quatro atletas de Guarujá escreveram seus nomes de forma definitiva na história da canoagem polinésia, conhecida como Va’a. Marcelo Andreoni, de 50 anos, Roberto Petrauskas, de 62, Luis Fernando Guimarães, de 44 anos e Fernanda Guimarães, de 15 anos, formaram o grupo de canoístas da Cidade que conquistaram um quarto das medalhas do Brasil no torneio, retornando do campeonato com cinco medalhas: duas de ouro, duas de prata e uma de bronze. Os atletas são beneficiários do programa Bolsa Atleta, plataforma iniciada em 2011, pela qual esportistas da Cidade que se destacam em campeonatos recebem auxílio financeiro mensal da Prefeitura. Atualmente, 208 atletas são contemplados com o benefício.

Na categoria v12 sênior, Roberto Petaruskas e Marcelo Di Lorenzi Andreoni fizeram parte da equipe que ficou em primeiro lugar, conquistando a primeira medalha de ouro do Brasil no mundial. Na mesma categoria, Marcelo foi novamente às águas. Porém, agora, dividindo a canoa com o munícipe Luis Fernando Guimarães e com atletas do Rio de Janeiro.

Os dois canoístas de Guarujá saíram medalhados da prova, com um bronze para cada. Houve tempo para mais uma conquista, que garantiu a presença da Cidade em todas as posições do pódio. Na categoria v6 sênior, a prata veio com Marcelo Di Lorenzi. Já Fernanda Guimarães conseguiu o quinto lugar no v6 júnior e o quinto no v6 cadete.

As cinco medalhas trazidas pelos canoístas de Guarujá foram essenciais para o Brasil alcançar a quarta colocação no geral, com 20 medalhas, sendo cinco de ouro. Berço da canoagem polinésia, o Taiti conquistou a primeira colocação, com 47 medalhas, 31 destas de ouro. A Austrália foi a segunda colocada, alcançando a marca de 18 medalhas, sendo nove de ouro. O Havaí, terceiro lugar, levou 26 medalhas, seis delas de ouro.

Um dos canoístas e também treinador da equipe, Marcelo di Lorenzi Andreoni define como um sonho ter não só participado do mundial, mas também ter conquistado medalhas. “Foi um sonho. É um engrandecimento pessoal como atleta e treinador. Sou esportista desde pequeno e o mar sempre esteve ao meu redor”, comemora o professor de Educação Física desde 1985.

Sobre o programa Bolsa Atleta, da qual os quatro canoístas da Cidade que foram para o mundial são beneficiários, Marcelo diz o quão é importante o auxílio. “É uma ajuda muito boa. Só temos a agradecer pelo apoio que recebemos”.

Os atletas treinam com a Associação de Desenvolvimento de Esporte e Cidadania no Guarujá, ADECG, projeto social que oferece aulas gratuitas de diversas modalidades na Santa Cruz dos Navegantes. Os quatro guarujaenses foram convocados para o torneio pela Confederação Brasileira de Canoagem após terem conquistado as vagas mediante desempenho na seletiva nacional, disputada nos dias 31 de maio e 1º de junho, também no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, o Brasil sediou o torneio, que teve a Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, como palco durante os dias 12 e 17 de agosto.

“Procuramos despertar a cidadania de cada um por meio do esporte, fomentando a prática esportiva e a capacidade intelectual dos atletas” diz Marcelo, sobre o objetivo da organização sem fins lucrativos, do qual é integrante.

Os canoístas de Guarujá agora se preparam para a disputa do brasileiro da modalidade, que acontecerá em Santos, no mês de outubro, nas categorias v6 e v12. Em novembro, em Peruíbe, ocorre as disputas para v1 e v2. O destaque do restante do ano fica para o Sul-americano de Va’a, que terá a Ilha de Páscoa, no Chile, como palco nos dias 27, 28, 29 e 30 de novembro.

Durante os cinco dias de disputas, o Mundial de Va’a reuniu cerca de 700 atletas convencionais e paraolímpicos, que disputaram 61 finais. A competição, organizada pela Superar Esportes, sob a chancela da Federação Internacional e da confederação brasileira do esporte, recebeu os melhores canoístas do mundo. Cerca de dois mil atletas de diversas nacionalidades se reuniram na Lagoa Rodrigo de Freitas, conhecido cartão-postal da Cidade sede dos próximos Jogos Olímpicos, que contará com a canoagem Va’a apenas na Paraolimpíada.