X

Política

'Vou pro monte pra agradecer a vitória', diz Cabo Daciolo, 1% nas pesquisas

Por jejuar no monte (na prática, um período de orações), o parlamentar se afastou por 21 dias da campanha

Folhapress

Publicado em 07/10/2018 às 12:26

Atualizado em 07/10/2018 às 12:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Cabo Daciolo disse que um 'avivamento' lhe dará 51% dos votos neste domingo (7) / Reprodução/Facebook

Candidato à Presidência pelo Patriota e evangélico que fez de "Glória a Deus" seu slogan eleitoral, o deputado Cabo Daciolo diz à Folha de S.Paulo que um "avivamento" lhe dará 51% dos votos neste domingo (7).

Com 1% nas pesquisas, conseguiu converter ao menos um voto: Elia Maria, 69, que, de cadeira de rodas, não conseguia subir um lance de escada para votar na mesma seção do candidato, na Barra da Tijuca.

Ele carrega a senhora e a cadeira degraus acima e, ainda ofegante, conta que ninguém conseguirá falar com ele pelo resto do dia. "Vou pro monte pra agradecer a vitória."

Por jejuar no monte (na prática, um período de orações), o parlamentar eleito pelo PSOL se afastou por 21 dias da campanha. Ele foi expulso da legenda progressista por querer enxertar na Constituição que "todo poder emana de Deus", e não do povo, como no texto atual.

Continua amigo de Cyro Garcia, presidente do PSTU e candidato ao Senado, que o levou para o lançamento de uma biografia do Karl Marx. Votou nele.

O PSTU imortalizou o slogan "contra burguês, vote 16". Já o ex-bombeiro alçado à política após liderar uma greve da categoria é contra a maçonaria e a sociedade secreta Illuminati. Afirma que Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) fazem parte de ambas. Sua esposa, Cristiane, veste uma camisa onde se lê #ElesNão, os dois.

"Estou com meu coração explodindo para revolucionar", afirma sobre sua temporada presidencial, que "com fé em Deus" se tornará realidade, diz.

De uma família "metade espírita kardecista, metade católica", ele é evangélico, mas não frequenta uma igreja em particular. Acha que a cúpula evangélica "está corrompida", mancomunada com maçons.

Os primeiros sete dias de seu governo seriam "de aclamação ao Senhor". No oitavo, os milhões de desempregados do país se apresentariam em unidades militares para ou seguirem carreira ou terem cursos profissionalizantes, afirma o cabo. "Tudo começa com amor."

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Santos anuncia contratação do meia-atacante Patrick

Ele assinou contrato definitivo válido até 31 de dezembro de 2026.

Guarujá

Hora de aprender! Guarujá abre vagas para curso de maquiagem

Vagas estão sendo administradas pelo Fundo Social da cidade

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter