DESAPARECEU HÁ 40 ANOS

Ulysses Guimarães: Conheça a liderança que tinha 'ódio e nojo' à ditadura

Ulysses Guimarães desapareceu há 40 anos; conheça o homem que desafiou a ditadura pelo direito ao voto e a uma nova Constituição

Bruno Hoffmann

Publicado em 11/10/2022 às 13:38

Atualizado em 11/10/2022 às 13:42

Comentar:

Compartilhe:

Ulysses Guimarães durante a promulgação da Constituição / Arquivo/Agência Brasil

Nesta quarta-feira completam-se 30 anos do desaparecimento de Ulysses Guimarães. Em 12 de outubro de 1992 o helicóptero de um dos líderes políticos mais populares do País caiu sobre o mar de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. Ele estava ao lado da esposa, dona Mora, do ex-senador Severo Gomes e sua mulher, Anna Maria Henriqueta Marsiaj, e do piloto Jorge Comemorato. Só o corpo de Ulysses nunca foi encontrado. Ele tinha 76 anos.

O paulista de Itirapina foi o presidente da Assembleia Nacional Constituinte de 1987 a 1988, que inaugurou a nova ordem democrática do País, após 21 anos sob a ditadura militar. No discurso em que promulgou a Constituição, disse a frase histórica: "Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo".

A sentença vinha carregada de significados. O líder político havia sido um dos principais opositores do regime militar, que comandara o Brasil entre 1964 e 1985. Um dos momentos mais tensos de sua relação com os militares ocorreu na Bahia, em 1978, quando desafiou a violência policial durante um ato de campanha em Salvador.

Naquele ano, em 15 de novembro de 1978, os eleitores iriam escolher os senadores e deputados estaduais e federais pelo voto direto. O embate era entre a Arena (partido dos militares) e MDB (oposição). O MDB realizou uma caravana pelo Nordeste para buscar votos. Na liderança, estava Ulysses, então presidente do MDB.

Em várias reuniões, arbitrariedades e abusos policiais deixavam o clima pesado. O momento mais tenso ocorreu em 13 de maio de 1978, em Salvador. Policiais bloquearam a entrada da sede do partido com cachorros e fuzis com baionetas. Ulysses não temeu. Aproximou-se de um policial e disse, enquanto empurrava o temível fuzil: “Respeite o líder da oposição”.

Já dentro da sede, fez um discurso histórico e corajoso: “Meus amigos, foi uma violência, foi, mas uma violência estúpida, inútil e imbecil. Eles nos ajudam muito”, iniciou.

De forma inflamada, continuou, em um papo direto com os eleitores: "A Bahia são vocês que estão aqui dentro. Aquilo que está lá fora para nos oprimir representa esta situação de arbítrio e de prepotência. Isso que está lá não é a Bahia, não é o Brasil, não é povo, não é a nação, não é sociedade, não é o cidadão".

E encerrou com a frase que se tornou célebre: “Baianos, marchemos para a vitória a 15 de novembro. Baioneta não é voto e cachorro não é urna”.

Hoje, o nome de Ulysses Guimarães está no livros de Heróis e Heroínas da Pátrias, ao lado de tantos outros, como Zumbi dos Palmares, Chico Mendes, Santos Dumont, Tiradentes e Dandara dos Palmares.

O "Senhor Diretas" também batiza o principal plenário da Câmara dos Deputados: o Plenário Ulysses Guimarães.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Descubra os nomes inspirados no espaço sideral que são mais escolhidos

A novela 'Família é Tudo', se aproveitou dessa popularidade e nomeou as protagonistas em homenagem ao Sistema Solar

Cotidiano

Sua grande chance! PATs do Litoral de SP oferecem 319 vagas de emprego; confira

Oportunidades são para todos os níveis de escolaridade

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter