SEGURANÇA-SP

Tarcísio quer adotar modelo do RJ que acaba com a Secretaria da Segurança

Embora não faça parte do plano de governo do bolsonarista, a intenção tem sido anunciada pelo candidato para policiais paulistas e foi confirmada pela campanha de Tarcísio na última sexta (14)

ROGÉRIO PAGNAN - Folhapress

Publicado em 19/10/2022 às 12:35

Compartilhe:

Ainda segundo o ex-ministro, não é ideal "ter o comando das polícias no 4º escalão do governo", em referência à atual estrutura da secretaria paulista / Reprodução/ Agência Brasil

O candidato ao Governo de São Paulo pelo Republicanos, Tarcísio de Freitas, à frente nas pesquisas de intenção de voto, pretende dar ao chefe da Polícia Civil e ao comandante da Polícia Militar status de secretário e, com isso, extinguir a Secretaria da Segurança Pública do estado.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.


Embora não faça parte do plano de governo do bolsonarista, a intenção tem sido anunciada pelo candidato para policiais paulistas e foi confirmada pela campanha de Tarcísio na última sexta (14).

Esse modelo é o mesmo implementado no Rio de Janeiro em 2019 e que agrada a setores das duas polícias de São Paulo, mas sofre fortes críticas de especialistas por ser considerado um retrocesso ao esforço de integração das forças de segurança estaduais.

De acordo com o candidato, em resposta à Folha de S.Paulo, a intenção é fazer essa transformação "paulatinamente".

"Uma vez que a melhora na segurança do estado passa também pelo maior engajamento e supervisão direta do governador. [...] Ter a ligação direta entre o comando e o governador daria a relevância necessária às tomadas de decisão de segurança pública", diz nota.

Ainda segundo o ex-ministro, não é ideal "ter o comando das polícias no 4º escalão do governo", em referência à atual estrutura da secretaria paulista que, além do secretário da segurança, tem, ainda, os secretários-executivos da Polícia Civil e da Polícia Militar.

"Esta mudança de estrutura será cuidadosamente planejada de modo a tornar a transição possível durante o mandato. A Secretaria de Segurança, como as polícias, é centenária em São Paulo e, por isso, essa mudança deve ser pensada com cuidado e com base em experiências bem-sucedidas para que os ganhos esperados sejam obtidos com máxima eficiência", finaliza a nota da campanha.

A pasta da Segurança paulista foi criada em 1906 e, após breves períodos de interrupção, foi retomada em 1941.

De acordo com policiais ouvidos pela Folha de S.Paulo, a proposta tem sido aventada pelo candidato em especial entre policiais civis que resistem à ideia do retorno do ex-secretário Antônio Ferreira Pinto, nome mais citado para assumir a pasta -embora o próprio negue interesse nesse retorno.

Ferreira Pinto comandou a secretaria entre março de 2009 e novembro de 2012 e, nesse período, teve embate com alguns dos chamados "cardeais da Polícia Civil", delegados mais antigos, e chegou a tirar da instituição o controle da própria Corregedoria.

A promessa de dar ao delegado-geral status de secretário também seria um aceno à instituição para um tratamento equânime às duas polícias, já que Tarcísio de Freitas é visto com um candidato muito ligado à Polícia Militar, até por estar constantemente cercado de oficiais da reserva.

Nessa possível alteração de Tarcísio, não é mencionada a situação da Polícia Técnico-Científica, que, em São Paulo, é independente da Polícia Civil, assim como ocorre em outros estados.

Também procurado pela Folha, o adversário de Tarcísio, o candidato petista Fernando Haddad, disse que pretende fazer alterações caso vença, mas para devolver o modelo que existia antes do governo João Doria (PSDB), sem as secretarias-executivas da PM e da Polícia Civil.

Para o petista, em nota, a mudança de Doria acabou criando uma situação de conflito de comandos dentro das polícias e, por isso, caso eleito, ele não vai mantê-las.

"O governo Haddad manterá a estrutura que sempre existiu na Secretaria de Segurança Pública antes do atual governo: secretário da Segurança Pública, Secretário Adjunto e chefe de gabinete. O gabinete da SSP já conta com assessorias das polícias civil e militar", diz nota enviada à reportagem, também na sexta.

No plano de governo petista, a ideia é implementar Gabinetes de Gestão Integrada, com a Secretaria da Segurança Pública "articulando o trabalho das diversas forças de segurança do estado". Nesse gabinete, estariam juntos a Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Técnico-Científica.

"O esforço conjunto produz mais e melhores informações; ações mais potentes; complementaridade, com mais eficiência do gasto público; segurança mais próxima dos cidadãos e cidadãs", diz.
Para o sociólogo Ignácio Cano, do Rio, é um erro haver duas secretarias, como proposto por Tarcísio, porque isso "aprofunda a divisão das duas polícias, que impede uma política integrada de segurança pública".

"Historicamente, as polícias eram separadas, foi um avanço histórico no Brasil conseguir integrá-las numa Secretaria de Segurança Pública única, com comando único, e que fosse dada a uma pessoa que não fosse necessariamente policial", afirmou ele.

Ainda segundo ele, essa discussão vem dando espaço a "uma agenda corporativa" das polícias, que não querem um controle político que não seja diretamente do governador.

"Isso que aconteceu no Rio e vai continuar acontecendo. É um retrocesso político estratégico, porque você precisa de um planejamento e execução integrada da política de segurança, e as duas polícias têm que trabalhar juntas. Então, duas secretarias, certamente vão contra esse princípio", disse.

A diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, também afirma considerar "um grande retrocesso" a possibilidade de São Paulo acabar com a Secretaria da Segurança.

"Já há pouca integração concreta operacional de dados, por exemplo. Sem a secretaria, isso tendo a ficar muito mais difícil porque, infelizmente, as polícias disputam muito entre si. Muito grave [essa possibilidade] e é ir na contramão do que funciona na segurança pública no Brasil", disse ela.

Para o especialista José Vicente da Silva, coronel reformado da Polícia Militar de São Paulo, há uma demanda de integração das polícias no país em razão da existência de duas polícias estaduais, a PM e a Civil, e a separação em pastas só agrava o problema.

"Isso [a separação das pastas] não permite que a segurança do Rio evolua, inclusive em termos de qualidade de gestão, tecnologia e inteligência."

Ainda segundo ele, embora haja argumentos contrários, a existência da Secretaria da Segurança é importante até para que o governador tenha um anteparo em eventuais crises.

Silva diz que em Santa Catarina houve uma solução habilidosa de revezamento do comando da Secretaria entre o comandante da PM e o chefe da Polícia Civil a cada dois anos.
"É melhor um mal arranjo com um secretário da Segurança do que duas boas polícias separadas."

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Cidade do litoral de SP recebe evento sobre Cannabis Medicinal; veja a programação

Discussão ao longo dos anos vem ganhando corpo e a importação foi autorizada no Brasil há mais de 8 anos pela Anvisa

Diário Mais

Conheça a formidável ilha no litoral de SP onde você pode não sair com vida

Acesso ao local é proibido pelo risco constante de "acidentes fatais"

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter