ELEIÇÕES 2022

Felício Ramuth, vice de Tarcísio: 'Janones está se achando importante'

Felício Ramuth explica por que suas propostas seriam superiores às de Haddad, minimiza falas polêmicas de Bolsonaro e analisa a reta final do 2º turno

Bruno Hoffmann

Publicado em 17/10/2022 às 15:36

Atualizado em 17/10/2022 às 15:41

Comentar:

Compartilhe:

Felício Ramuth durante entrevista na Rádio Trianon / Divulgação

O candidato a vice ao Governo de São Paulo, Felício Ramuth (PSD), da chapa de Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse nesta segunda-feira que André Janones (Avante) "pegou carona" na campanha do presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva (PT) após não conseguir se viabilizar para a disputa do cargo e que ele "está se achando importante". 

Janones, que é deputado federal reeleito por Minas Gerais, é criticado pelo bolsonarismo manter um estilo agressivo pelas redes sociais e supostamente criar e distribuir fake news contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e companhia.

"Janones pegou carona depois que não conseguiu se viabilizar. Aí veio naquele estilão, e no primeiro debate já quis partir para o quebra-pau. É o tipo de política que não combina comigo, mas está no papel dele. É o grande queridinho das redes sociais. Ele está se achando importante", analisou.

Ramuth participou na manhã desta segunda-feira do programa Metrópole em Foco, da Rádio Trianon, na cidade de São Paulo, onde foi entrevistado pelo apresentador Pedro Nastri e pelo repórter Bruno Hoffmann, da Gazeta e do Diário do Litoral.

Na entrevista, o ex-prefeito de São José dos Campos por duas gestões também tentou se descolar do maneira ideológica do bolsonarismo, ao focar nas pretensas vantagens das propostas de sua chapa em relação à de Fernando Haddad (PT), o adversário do segundo turno.

"A nossa proposta é a favor do empreendendor, e o PT é contra o empreendedor. Na minha cidade tinha ensino de empreendedorismo na escola, e o PT tirou", disse.

Além do empreendedorismo, Ramuth analisou que ainda se diferencia do petismo por buscar um estado mais enxuto, menos burocrático e por querer valorizar as forças de segurança, como a Polícia Militar.

"Valorizamos esses homens e mulheres que saem às ruas todos os dias para colocar suas vidas em risco para cuidar da nossa. O PT acredita que esses homens e mulheres saem às ruas para oprimir a população de bem. É isso que está em xeque. E isso vale tanto para o estado de SP quanto para o governo federal", afirmou.

Questionado pela reportagem sobre ações de Bolsonaro durante a pandemia, como insistir por meses na cloroquina como tratamento contra a Covid-19 e por episódios como retirar a máscara de uma criança no Rio Grande do Norte, Ramuth disse que o presidente, no bom sentido, falava uma coisa mas fazia outra.

"Ele praticava uma coisa e fazia outra na estrutura do governo, comprando vacinas, repassando recursos para a área de saúde e promovendo o auxílio emergencial", disse. "Hoje, pela distância e pelos problemas que aconteceram, talvez ele possa respensar [naqueles atos]", completou.

O candidato a vice também defendeu a retirada das câmeras nos uniformes dos policiais militares, prometeu a criação de um trem de passageiros entre São Paulo e Campinas e ainda a criação de um túnel para carros entre as cidades de Santos e de Guarujá.

Assista à entrevista completa:

https://www.facebook.com/pedronastri2/videos/5543549979059725

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Descubra os nomes inspirados no espaço sideral que são mais escolhidos

A novela 'Família é Tudo', se aproveitou dessa popularidade e nomeou as protagonistas em homenagem ao Sistema Solar

Cotidiano

Sua grande chance! PATs do Litoral de SP oferecem 319 vagas de emprego; confira

Oportunidades são para todos os níveis de escolaridade

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter