ELEIÇÕES 2022

Campanha de Bolsonaro atua para conter danos após vídeo sobre venezuelanas

A declaração do presidente foi dada ao podcast Paparazzo Rubro-Negro na sexta-feira (14)

MARIANNA HOLANDA E CÉZAR FEITOZA - FOLHAPRESS

Publicado em 17/10/2022 às 21:52

Comentar:

Compartilhe:

Bolsonaro / Facebook/Jair Bolsonaro

A campanha de Jair Bolsonaro (PL) iniciou uma operação de contenção de danos após a viralização de vídeo em que o presidente usa a expressão "pintou um clima" para falar sobre adolescentes venezuelanas.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A principal linha de defesa adotada desde sábado (15) é afirmar que a fala foi tirada de contexto por rivais. Aliados também dizem que Bolsonaro tem o costume de dizer "pintou um clima" em diversas situações.

A declaração do presidente foi dada ao podcast Paparazzo Rubro-Negro na sexta-feira (14). "Parei a moto numa esquina, tirei o capacete e olhei umas menininhas, três, quatro, bonitas; de 14, 15 anos, arrumadinhas num sábado numa comunidade", disse o presidente durante a entrevista.

"Pintou um clima, voltei, 'posso entrar na tua casa?' Entrei. Tinha umas 15, 20 meninas, [num] sábado de manhã, se arrumando -todas venezuelanas. Meninas bonitinhas, 14, 15 anos, se arrumando num sábado para quê? Ganhar a vida. Quer isso para a tua filha? E como chegou a este ponto? Escolhas erradas."

No dia seguinte, o trecho passou a ser amplamente explorado por críticos do presidente, que o associaram à pedofilia. A campanha do presidente avalia que a decisão do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, de determinar a retirada do vídeo do ar e impedir que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) o reproduza na propaganda eleitoral representou uma vitória importante.

A decisão foi, inclusive, explorada por Bolsonaro no debate promovido neste domingo (16). "O seu programa -influenciado por Gleisi Hoffmann [presidente do PT]- me acusou de pedofilia, tentando me atingir naquilo que tenho mais de sagrado, a defesa da família brasileira e das crianças", disse o candidato à reeleição no evento, sem ter sido questionado sobre o tema. "Ato contínuo, o que aconteceu no dia de hoje? O senhor Alexandre de Moraes dá uma sentença contrária a essas fake news, a essas mentiras".

Mais cedo, ao chegar ao local onde o debate foi realizado, Bolsonaro disse que a decisão de Moraes botou um ponto final no tema. "Vocês me acompanharam, as últimas 24 horas foram as mais terríveis da minha vida. Uma acusação infame e sórdida de pedofilia, potencializada pela senhora Gleisi Hoffmann."

Considerado um inimigo por Bolsonaro, o presidente do TSE foi elogiado por aliados do Planalto devido aos termos duros da decisão. Ainda assim, o tema gerou preocupação entre estrategistas da campanha.

Uma das reações estudadas é que Bolsonaro inclua em suas viagens uma passagem na fronteira do Brasil com a Venezuela, em Roraima, como forma de demonstrar solidariedade aos refugiados do país vizinho.

Em outra frente, a campanha do presidente também pagou ao menos R$ 166 mil para impulsionar, no Google, anúncios de links que dizem que o presidente não é pedófilo. De acordo com aliados, a ideia era conter eventuais prejuízos na internet, ambiente no qual o vídeo de Bolsonaro circulou amplamente.

Os termos utilizados por Bolsonaro no podcast ficaram entre os mais comentados em redes sociais no fim de semana, e a expressão "Bolsonaro pedófilo" chegou a ser a mais popular no Twitter no sábado.

Numa tentativa de arrefecer a crise, a primeira-dama Michelle Bolsonaro se encontrou nesta segunda-feira (17) com duas venezuelanas da família citada por Bolsonaro na entrevista.

O encontro ocorreu no Lago Sul, área nobre de Brasília, e foi viabilizado por integrantes da Presidência da República e da Embaixada da Venezuela no Brasil.

Segundo relatos de pessoas envolvidas no caso, a equipe da primeira-dama foi quem ofereceu o encontro. O plano inicial era que ele ocorresse na noite de domingo (16), em São Sebastião.

A conversa, no entanto, só aconteceu na segunda após a família de venezuelanos decidir que gostaria de ser ouvida pela Michelle e dar a oportunidade da primeira-dama pedir desculpas pela exposição indevida das menores de idade.

Desde sábado, quando o vídeo de Bolsonaro se espalhou pelas redes, a família venezuelana ficou assustada e passou a evitar contato com demais moradores e a imprensa.

O principal problema, segundo os relatos, foi com a insinuação que o presidente fez de que as meninas fossem prostitutas -o que é negado pelos venezuelanos e pela Cáritas Arquidiocesana de Brasília, que acompanha os refugiados em São Sebastião.

Com a exposição da família, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e a Defensoria Pública da União passaram a acompanhar as venezuelanas.

Em 10 de abril de 2021, um sábado, Bolsonaro fez um passeio por São Sebastião e entrou numa casa em que viviam mulheres venezuelanas que fugiram da crise político-econômica no país vizinho. Na ocasião, ele fez uma live na qual criticou as medidas sanitárias então adotadas por governadores contra a Covid.

Não há referências a exploração sexual na transmissão do presidente à época. As cidadãs venezuelanas apresentaram pleitos como a regularização de documentos e a reabertura da fronteira terrestre.

Na entrevista que originou as críticas a Bolsonaro, o objetivo do presidente era reforçar o mote de um suposto risco de o Brasil "virar uma Venezuela" caso Lula vença o segundo turno do pleito presidencial.

A fala do mandatário também foi criticada por sugerir que ele não tomou providências diante de uma situação de exploração sexual de menores. Ainda que a campanha admita a repercussão negativa do caso, o episódio não é visto como definidor na disputa pelo Planalto, segundo o entorno do mandatário.

Pouco depois de 0h de domingo (16), o presidente iniciou uma live em suas redes sociais, durante a qual acusou o PT de distorcer o que ele disse sobre o encontro com as adolescentes. "O PT está tentando me desqualificar, distorcer, como se eu fosse uma pessoa que entrasse naquela casa com outros interesses."

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Lançamento de livro sobre Movimento dos Sem Terra acontece nesta segunda-feira

Celebração acontece na Realejo Livraria, no Gonzaga, em Santos, ás 18h

Diário Mais

Rodovia dos Imigrantes, que liga ao litoral de SP, tem estrada escondida e cachoeira

Porém, é importante dizer que a visitação ao local é proibida, mesmo com algumas pessoas postando fotos e vídeos lá

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter