X

Educação

Tribunal de Contas de SP aponta que uma entre quatro das 762 obras paradas é da área de Educação

Números são referentes à nova atualização do Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas, com dados do terceiro trimestre de 2022

Da Reportagem

Publicado em 06/02/2023 às 12:28

Atualizado em 06/02/2023 às 14:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O setor de Educação responde por um quarto dos empreendimentos com problemas de cronograma / Divulgação/PMS

De acordo com levantamento realizado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), o território paulista possui 762 obras atrasadas ou paralisadas. Uma a cada quatro obras com problemas de cronograma um total de 203 empreendimentos -, é referente ao setor da Educação.

Da totalidade das obras, 261 estão atrasadas e 501 se encontram em estado de paralisação. Somados, os valores iniciais dos contratos alcançam a cifra de quase R$ 20 bilhões. Os números são referentes à nova atualização do Painel de Obras Atrasadas ou Paralisadas, com dados do terceiro trimestre de 2022, disponível no link.

Educação

O setor de Educação responde por um quarto dos empreendimentos com problemas de cronograma. O TCE detectou a presença de 203 obras - 26,64% do total -, distribuídas em Universidades, Faculdades, Escolas e similares. Das 203 obras, 58 estão atrasadas, ao passo que 145 se encontram paralisadas. Os dados revelam que os valores contratuais somam R$ 535.963.204,41. 

No cenário do território paulista, cerca de 74,38% das obras de Educação são de responsabilidade municipal (151), enquanto o Governo do Estado arca com 52 empreendimentos (25,62%).

Custo x tempo

O balanço revela que o empreendimento mais caro na pasta está situado na capital paulista e é de âmbito estadual. Com um custo de R$ 123.578.454,33 (valor inicial de contrato), as obras de complementação do Conjunto dos Museus da USP estão paralisadas desde 2015, com sua conclusão prevista inicialmente para 2017. 

O Museu da História do Estado de São Paulo (restauração, reforma e construção de edificações) é outro empreendimento com problema na Capital. Paralisada, a obra estadual, que deveria ser entregue 11 anos atrás, já recebeu R$ 93.682.753,96.

Em Ribeirão Preto, o fornecimento e implantação do novo sistema de iluminação pública no Campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, está paralisada há quase 10 anos, com um custo inicial contratual de R$ 21.452.412,71.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

Cotidiano

Biquíni com casaco? Litoral de SP terá sol nos próximos dias, mas sem calor

Apesar da presença constante do sol, as máximas não passam dos 23 graus

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter