X

Saúde

Tire suas dúvidas sobre a vacina da dengue aplicada na rede particular e no SUS

A Qdenga, fabricada pela farmacêutica Takeda, foi incorporada ao SUS (Sistema Único de Saúde) e deve começar a ser aplicada ainda no mês de fevereiro

Folhapress

Publicado em 07/02/2024 às 21:15

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A aprovação do imunizante foi recebida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em março de 2023 para pessoas de 4 a 60 anos / Divulgação/Governo do Estado

Em meio a mais um estado de alerta contra a dengue no país, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, ressalta um atenuante: pela primeira vez, o Brasil terá o auxílio de uma vacina no enfrentamento à doença.
A Qdenga, fabricada pela farmacêutica Takeda, foi incorporada ao SUS (Sistema Único de Saúde) e deve começar a ser aplicada ainda no mês de fevereiro. Ela já está disponível em laboratórios particulares a um preço médio de R$ 450 por dose.

A aprovação do imunizante foi recebida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em março de 2023 para pessoas de 4 a 60 anos. Ele é aplicado via subcutânea, em duas doses, com intervalo de três meses.

As 757 mil doses entregues pelo laboratório fabricante passam por processo de liberação no Ministério da Saúde, como ocorre com os medicamentos e imunizantes importados que chegam ao Brasil. O cronograma de distribuição e a quantidade de doses para cada região serão divulgados em breve, diz a pasta. Veja tudo o que sabemos sobre a vacina e como adquiri-la.

Quem pode receber a vacina

Nos laboratórios particulares, pessoas que estão na faixa etária de 4 a 60 anos conseguem receber o imunizante. Para isso, elas podem levar indicação médica ou se consultar em triagem com os profissionais dos próprios estabelecimentos.

O preço varia entre R$ 400 a R$ 490 por dose em laboratórios de São Paulo. Em alguns, porém, como o Fleury, o estoque está limitado aos clientes que solicitaram a segunda dose e em algumas unidades já não há mais vacina disponível, devido à alta demanda por imunização e à restrição da oferta do fabricante da vacina ao setor privado.

Pelo SUS, porém, o público inicial será composto por crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. Essa faixa etária, segundo o Ministério da Saúde, concentra o maior número de hospitalizações por dengue, depois de pessoas idosas --grupo para o qual a vacina não foi liberada pela Anvisa.

O ministério segue recomendação do grupo de assessoramento (Sage, em inglês) da OMS (Organização Mundial da Saúde), que aconselharam a introdução da vacina para o público de 6 a 16 anos. "Dentro dessa faixa etária, a vacina deve ser introduzida cerca de 1-2 anos antes do pico de incidência de hospitalizações relacionadas à dengue".

Além disso, a vacina será aplicada apenas em 521 municípios de regiões que atendem aos seguintes critérios: possuir pelo menos um município com mais de 100 mil habitantes; alta transmissão de dengue registrada em 2023 e 2024; maior predominância do sorotipo 2 do vírus da dengue (DENV-2).

A pasta da Saúde explica que a limitação foi feita devido à baixa capacidade de produção do laboratório.

Quem não pode receber a vacina

Segundo a bula do fármaco, a Qdenga não deve ser aplicada em gestantes, lactantes, pessoas alérgicas a algum dos componentes da vacina e aqueles com problemas no sistema imunológico, como HIV, questões genéticas ou que estão em tratamento que afeta as defesas do corpo.

Qual a eficácia e contra quais tipos de dengue a vacina tem proteção?

Em testes conduzidos em oito países na Ásia e na América Latina (Brasil, Colômbia, República Dominicana, Nicarágua, Panamá, Filipinas, Sri Lanka e Tailândia), a vacina teve eficácia de 80% contra os casos de dengue confirmados 12 meses após a segunda dose, e reduziu as hospitalizações em 90,4% nos 18 meses após a segunda dose.

Em relação à eficácia por sorotipo, a análise mostrou uma proteção variável para cada um, sendo de 69,8% contra o sorotipo 1 e 95,1% para o tipo 2, demonstrando uma boa proteção para este último.

Por outro lado, a proteção para o sorotipo 3 foi abaixo do limite de eficácia de 50% (48,9%, com intervalo de 27,2%-64,1%) e, para o sorotipo 4, foi inconclusivo.

Este último ponto preocupa os especialistas, especialmente pela possibilidade de uma epidemia dos sorotipos 3 e 4 no país este ano.

Quais os possíveis riscos associados?

Como todo fármaco, a vacina possui efeitos colaterais esperados, como dor ou vermelhidão no local da injeção, dores de cabeça e musculares, mal-estar generalizado e fraqueza. Cerca de 10% dos vacinados podem apresentar febre. Os efeitos colaterais são, em geral, leves a moderados, e podem desaparecer em poucos dias.

Um efeito que pode surgir ao aplicar a vacina e preocupa cientistas é a ocorrência de uma reação chamada ADE (aumento dependente de anticorpo, na sigla em inglês). Isto ocorre porque a vacina induz a produção de anticorpos ligados aos diferentes sorotipos, mas ela não é igual para cada um deles.

Assim, no momento de uma infecção por um dos tipos do vírus, em vez de combatê-lo, os anticorpos podem ajudar a infecção do vírus nas células, causando um quadro similar ao de dengue hemorrágica -que pode ocorrer ao contrair a doença pela segunda vez.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, a Takeda afirma que após um estudo de mais de quatro anos de seguimento, o imunizante não apresentou nenhum risco de segurança ou agravamento de doença associado à vacinação, independentemente de exposição prévia ao vírus.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

'Encontro das Cidades ODS' contará com reflexão e ação pela Agenda 2030

Evento acontece em junho, no Centro Histórico de Santos

Cotidiano

Sindicato decide adiar greve do Metrô de SP e linhas funcionam normalmente

Segundo eles, parte das reivindicações da categoria foram atendidas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter