X

GREVE

Sem acordo, greve de aeronautas se aproxima de viagens de Natal com atrasos em voos

Até as 14h desta quarta (21), Congonhas registrava 57 atrasos e 44 cancelamentos, segundo a Infraero

LUCAS LACERDA - FOLHAPRESS

Publicado em 21/12/2022 às 16:38

Atualizado em 21/12/2022 às 16:43

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Greve dos pilotos foi anunciada neste final de semana / Rovena Rosa/Agência Brasil

A greve de pilotos, copilotos e comissários chega ao terceiro dia de paralisações nesta quarta (21), às vésperas do Natal, com atrasos e cancelamentos de voos em ao menos 20 aeroportos no país.

As suspensões de decolagens entre 6h e 8h continuarão até que a categoria negocie e aceite uma proposta de reajuste e regime de folgas das empresas aéreas. É o que diz o SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), que representa os tripulantes aéreos.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Até as 14h desta quarta (21), Congonhas registrava 57 atrasos e 44 cancelamentos, segundo a Infraero. O Santos Dumont, no Rio, também operado pela empresa pública, teve 90 atrasos e 65 cancelamentos.

No entanto, a Infraero diz que os transtornos podem não ter relação com a greve. O Santos Dumont, especificamente, tem sido afetado desde o início da manhã por fortes chuvas, que causaram atrasos e cancelamentos.

Em Brasília, houve atraso em 26 dos 70 voos previstos para esta manhã, com partidas entre entre 6h e 12h, o que gerou atraso em outros aeroportos, como os de Porto Seguro, Maceió, São Luiz e Ilhéus, entre outros. Três voos foram cancelados por causas do mau tempo.

No Rio, o Galeão registrou quatro atrasos durante a manhã, segundo a assessoria. Já Guarulhos, segundo a concessionária GRU Airport, teve quatro atrasos e um cancelamento.

Até as 14h, o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, havia registrado 13 atrasos e um cancelamento até o momento, e o de Fortaleza, cinco atrasos.

Na terça (20), as paralisações afetaram ao menos 11 aeroportos no país, já que os atrasos e cancelamentos de decolagens geram um efeito cascata para outros locais.

Em uma live transmitida pelo canal do SNA no Youtube, representantes do sindicato convidaram colegas para a greve e disseram que as paralisações continuarão a ocorrer nos aeroportos indicados na assembleia: Congonhas (São Paulo), Guarulhos (SP), Galeão, Santos Dumont (ambos no Rio), Viracopos (Campinas), Porto Alegre, Fortaleza, Brasília e Confins (Grande Belo Horizonte).

Os aeronautas cobram das empresas aéreas a recomposição salarial pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e ganho real (acima da inflação) de 5%. Nas cláusulas sociais, pedem a manutenção da convenção coletiva da categoria e a definição dos horários de início e o veto a alterações nos horários de folgas programadas.

"Ainda aguardamos as empresas se manifestarem", diz o presidente do SNA, Henrique Hacklaender.

"Nós também gostaríamos que terminassem [as paralisações], mas as empresas estão sendo intransigentes", afirma.

Em nota divulgada na terça (20), o Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias) voltou a afirmar que as empresas aéreas têm trabalhado para dar assistência aos passageiros. O sindicato também alegou dificuldades das companhias aéreas por causa do aumento de custos no QAV (querosene de aviação) e o impacto financeiro da pandemia no setor.

Em relação às negociações, o Snea citou no texto a proposta rejeitada pela categoria no domingo (18), com recomposição de perdas da inflação e um ganho real de 0,5%, além da autorização para tripulantes venderem voluntariamente as folgas.

O argumento financeiro tem sido contestado pelo SNA, que justifica o pedido de reajuste de 5% com o aumento da demanda de voos domésticos e, consequentemente, das receitas.

Na terça (20), o sindicato dos aeroviários (profissionais da aviação no solo), que também negociava reajustes com as empresas, disse, em nota, que aceitou a proposta do Snea e aprovou a atualização da Convenção Coletiva de Trabalho.

De acordo com os representantes dos aeroviários, após a rejeição da primeira oferta, as empresas propuseram o reajuste dos salários, vale-refeição, vale-alimentação e demais benefícios monetários em 5,97%, equivalente ao INPC.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

São Paulo empata com o Inter e se mantém no G6

Os gaúchos chegaram a três partidas seguidas sem sofrer gols, enquanto os paulistas cravaram quatro jogos ilesos

Cubatão

Concurso do quadro complementar do Exército segue com inscrições abertas

A ESFCEx tem como intuito formar oficiais em várias áreas de interesse do Exército Brasileiro

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter