SENADO FEDERAL

Rodrigo Pacheco é reeleito presidente do Senado

Com apoio de Lula, Pacheco derrotou Rogério Marinho, ex-ministro de Jair Bolsonaro

THAÍSA OLIVEIRA, JOÃO GABRIEL E RENATO MACHADO, da Folhapress

Publicado em 01/02/2023 às 18:24

Atualizado em 01/02/2023 às 18:32

Comentar:

Compartilhe:

Rodrigo Pacheco / Agência Brasil

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), derrotou o ex-ministro de Bolsonaro Rogério Marinho (PL-RN) e foi reeleito nesta quarta-feira para mais dois anos de mandato.

O resultado da eleição na Casa representa uma segunda derrota do bolsonarismo e dá mais uma demonstração de força do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) um mês após o início do seu mandato.

O terceiro candidato, Eduardo Girão (Podemos-CE), desistiu de concorrer em favor de Marinho pouco antes do início da eleição.

O presidente do Senado contou com o apoio dos partidos que estão na base de Lula e conseguiu barrar traições com a negociação de espaços em comissões, na Mesa Diretora e em cargos de segundo e terceiro escalão do governo federal.

Além do PSD, Pacheco recebeu o apoio formal do MDB, do PT, do PSB, do PDT e da Rede. Já o bolsonarista Rogério Marinho formou um bloco com PL, PP e Republicanos. Conquistou ainda o voto de integrantes do PSDB.

Antes da votação, Pacheco discursou e defendeu sua gestão à frente do Senado. Ele disse que não cedeu para a prática da "chantagem". Também afirmou que garantiu a independência do Senado em relação aos demais Poderes, combatendo a ideia de que a Casa permitiu a hipertrofia do Judiciário -bandeira de Marinho.

Em um recado ao bolsonarismo, afirmou que manteve uma relação colaborativa com o governo federal, aprovando medidas de grande impacto, inclusive no período pré-eleitoral, quando Jair Bolsonaro (PL) buscou a reeleição. Citou como por exemplo o aumento do valor Auxílio Brasil e a proposta para reduzir o preço dos combustíveis.

Em resposta às críticas de bolsonaristas, Pacheco prometeu ainda impor limites aos demais Poderes, em particular ao Judiciário.

"Afirmo e devo dizer que, diferentemente do que sustentam sobre revanchismo, retaliação, de possível enquadramento do Poder Judiciário, que dá a palavra final aos conflitos sociais e jurídicos, nós devemos cumprir nosso papel verdadeiro: de solucionar nossos problemas através da nossa capacidade de legislar. Vamos legislar para colocar limites aos Poderes", afirmou.

Com a previsível vitória de Arthur Lira (PP-AL) na Câmara dos Deputados, a eleição do Senado ganhou ares de terceiro turno. Bolsonaristas fizeram campanha contra Pacheco nas redes sociais, tentaram associá-lo a Lula e levaram cartazes com a frase "Pacheco não" para a posse dos deputados eleitos.

Lula chegou a afirmar que o governo não iria interferir na disputa, mas, na prática, ministros de Estado entraram em campanha por Pacheco e estiveram em peso na sessão desta quarta.

Pacheco chegou à presidência do Senado dois anos atrás com o apoio de Bolsonaro depois que o então presidente da Casa, Davi Alcolumbre (União Brasil -AP), foi impedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de disputar a reeleição.

Ao longo do mandato, no entanto, o senador do PSD se afastou do ex-presidente da República e comprou briga com o Palácio do Planalto quando resolveu rejeitar um pedido de impeachment contra o ministro do STF Alexandre de Moraes.

Na disputa contra Marinho, Pacheco se colocou como o candidato capaz de defender a democracia e barrar a ofensiva bolsonarista contra o Supremo -sobretudo após a invasão e o ataque às sedes dos Três Poderes, em 8 de janeiro.

Por outro lado, bolsonarismo se agarrou à possibilidade de eleger Marinho e assim manter o movimento em evidência. Bolsonaro, a partir dos Estados Unidos, ligou e mandou mensagens para tentar virar votos em favor de seu aliado.

Seu filho Flávio Bolsonaro (PL-RJ), que sempre manteve uma relação cordial com Pacheco, passou os últimos dias disparando críticas contra o presidente do Senado. Flávio chegou a dizer que Pacheco não teve "capacidade de buscar a pacificação" e também era responsável pela intentona de 8 de janeiro.

Em 2021, Pacheco chegou ao cargo mais alto do Senado com apenas dois anos de atuação como senador e seis de vida política. Na Câmara, o mineiro ganhou protagonismo ao se tornar presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a mais importante da Casa.

Neste ano, o senador era o grande favorito para ser reconduzido à presidência do Senado, pois vinha de uma gestão elogiada por muitos senadores e controlava a distribuição das chamadas emendas de relator-geral do orçamento.

Pacheco também contou com a articulação de Alcolumbre. No entanto, as ações do ex-presidente -como a negociação das comissões e vagas na mesa diretora- irritaram e despertaram ciúmes entre parlamentares, a ponto de aliados do senador mineiro anunciarem o desembarque de sua campanha.

Os senadores do próprio partido de Pacheco Nelsinho Trad (PSD-MS), Lucas Barreto (PSD-AP) e Doutor Samuel Araújo (PSD-RO) convocaram uma entrevista no dia anterior à eleição para anunciar o voto em Marinho.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Três remédios já estão contaminando o mar do Litoral de SP; saiba quais são

Medicamentos são os mais comuns e mais procurados em farmácias e, provavelmente, você os têm aí na sua 'caixa de remédios'

Cotidiano

Início do inverno no litoral de SP terá calor extremo e sensação de 42º C

Final de semana será quente e seco; segunda e terça devem registrar temperaturas muito altas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter