X

Brasil

Parceria de hospital e laboratório aceleram diagnóstico de câncer de sangue infantil

O teste reflexo oferece um retorno dos resultados dos exames em até 24 horas

Folhapress

Publicado em 22/09/2023 às 15:21

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A chance média de cura do câncer em crianças e adolescentes está em torno de 64% / Volodymyr Hryshchenko/Unsplash

Uma parceria entre um hospital público referência infantil e um laboratório de diagnósticos especializado conseguiu acelerar a detecção de câncer de sangue em crianças e reduzir os custos por amostra em até 24%.

A técnica consiste em fazer os exames específicos após uma triagem inicial a partir de dados moleculares e de citologia (celular), reduzindo assim a necessidade de outros exames para os quais o diagnóstico da doença não seria indicado.

O emprego da tecnologia conhecida como teste reflexo oferece um retorno dos resultados dos exames em até 24 horas. A parceria, que já dura oito anos, também viu aumentar em 34% a realização de exames de triagem de leucemia e doença residual e reduziu em 5% os custos anuais recorrentes em relação aos testes realizados no hospital.

A pesquisa com os principais resultados foi realizada pelo laboratório especializado em diagnóstico onco-hematológico (cânceres do sangue) Flow Diagnósticos, em São Paulo, e o Hinsg (Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória), em Vitória (ES). O trabalho foi publicado nesta sexta-feira (22) na revista especializada American Association for Clinical Chemistry.

O Hinsg é o único hospital de referência em oncologia pediátrica no Espírito Santo, e atende todos os pacientes de câncer infantojuvenil pelo SUS (Sistema Único de Saúde) do estado.

De acordo com Rodrigo Proto-Siqueira, diretor de pesquisa e genômica da Flow Diagnósticos, com o protocolo para realização dos exames reflexo, há um ganho de tempo no início do tratamento. "Laboratórios clássicos fazem uma coleta de amostra, enviam para análise e, se der negativo para um determinado tipo de câncer, fazem novas coletas. Isso toma muito tempo.

Já no nosso caso, o exame de triagem por exemplo, para leucemia aguda, ele já vai levar aos exames complementares que vão auxiliar no diagnóstico de acordo com aquele primeiro resultado na triagem."

Em linhas gerais, o exame reflexo é uma metodologia em que a definição dos próximos passos se baseia na determinação do passo anterior. "Ela já é muito utilizada nos Estado Unidos, onde eles não esperam o resultado negativo para uma investigação para recomeçar do zero, eles já fazem a detecção de triagem e, com aquele resultado, partem para um exame mais específico", explica o pesquisador.

Os gargalos em testes oncológicos no país representam um dos desafios no diagnóstico e tratamento de cânceres no país, especialmente infantil.

Para Gláucia Zouain-Figueiredo, oncologista pediátrica do Hinsg, a precisão do diagnóstico de câncer infantil é o que pode, muitas vezes, ajudar na sobrevida daquela criança. "Em geral, o câncer infantojuvenil tem uma taxa de sobrevida [sobrevivência após a doença] de 85%, 90%, mas isso é para países ricos; em países de baixa e média renda, essa taxa é muito menor. E isso tem como efeito diversos fatores, mas com certeza o diagnóstico precoce, a precisão do diagnóstico e, com isso, iniciar o tratamento adequado são fatores que contribuem para a sobrevida."

Como muitos pacientes oncológicos pediátricos chegam já em um estado grave no hospital, a agilidade na detecção do tipo de leucemia, por exemplo, pode significar uma melhora nos sintomas e até mesmo redução de efeitos colaterais --isto é, sem a necessidade de terapias que não sejam eficazes-- nas primeiras 36 horas.

"A gente recebeu aqui recentemente um menino de cinco anos com uma contagem de leucócitos elevada [chamada hiperleucocitose], indicativa de leucemia, com fortes dores ósseas. Após a análise inicial, conseguimos uma resposta em 24 horas e já iniciamos o tratamento na noite seguinte, ganhando tempo para esse paciente. Ao final, a avó dele disse que ele passou a noite muito melhor", diz a médica.

De acordo com dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer), no triênio de 2023-2025, serão diagnosticados 7.930 novos casos de câncer infantojuvenis a cada ano. Atualmente, no Brasil, a chance média de cura do câncer em crianças e adolescentes está em torno de 64%.

"Pensando no impacto em saúde pública, os cânceres do tipo onco-hematológicos representam de 5% a 6% dos casos de neoplasias por ano, e essa estratégia de investigação diagnóstica de baixo custo e de alta acessibilidade traz um impacto enorme no diagnóstico de câncer infantil", afirma Proto-Siqueira.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Confira o resultado do Dia de Sorte no concurso 916, nesta terça (21)

O prêmio é de R$ 350.000,00

Cotidiano

Confira o resultado da Quina no concurso 6446, nesta terça (21)

O prêmio é de R$ 700.000,00

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter