X

Brasil

Homem sequestrou avião com 98 passageiros para jogá-lo contra o Palácio do Planalto

Episódio de pânico e desespero completa 34 anos

Da Reportagem

Publicado em 21/12/2022 às 11:45

Atualizado em 21/12/2022 às 11:45

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Palácio do Planalto, em Brasília / José Cruz/Agencia Brasil

O dia: 29 de setembro de 1988. Raimundo Nonato Alves da Conceição, na época com 28, embarcou no voo 375 da extinta Vasp, que ia de Belo Horizonte até o Rio de Janeiro. Armado com um revóler calibre .32, seu objetivo era matar o então presidente José Sarney. Ele queria, na verdade, jogar a aeronave contra o Palácio do Planalto. Entrou na cabine dos pilotos e ordenou que a rota fosse, então, desviada para Brasília. Aquele quase foi o 1º atentado terrista ocorrido no Brasil.

O Boeing 375 da Vasp fazia o trajeto de Belo Horizonte com destino ao Rio de Janeiro no dia 29 de setembro de 1988. Quando estava próximo ao pouco, o comandante Fernando Murilo Lima e Silva foi obrigado a mudar a direção da aeronave para Brasília. Sob a ameaça de uma arma de fogo, ele atendeu ao pedido do sequestrador. A bordo estavam 98 passeiros e outro tripulantes. 

Raimundo Nonato Alves da Conceição anunciou o sequestro da aeronave e rendeu alguns funcionários. Houve pânico e gritaria, e os pilotos conseguiram perceber que havia algo de errado do lado de fora da cabine, a trancando em seguida. Mesmo assim o criminoso foi até lá e efetou disparos para dentro, na tentativa de abrir a porta. Um alerta de sequestro foi enviado para a torre de comando pelo co-piloto, Salvador Evangelista. 

Já dentro da cabine o sequestrador ordenou que o avião fosse jogado contra o Palácio do Planalto quando chegasse à Brasília. Nesse meio tempo, a torre chamou a aeronave para uma comunicação e, ao responder, Salvador Evangelista, o co-piloto, foi morto com um tiro na cabeça. O assassino, então, gritava: "Eu quero matar o Sarney. Eu vou matar o Sarney". Ele culpava o fechamento da empresa que trabalhava ao governo da época.

Com o alerta de sequestro recebido, a torre contatou a Aeronáutica, que enviou aviões caça para acompanhar a trajetória do Vasp 375 até Brasília. Como o céu da cidade estava muito encoberto, não era possível enxergar o Palácio do Planalto, e o comandante do voo foi ganhando tempo junto ao sequestrador.

Sem que da Conceição percebesse, o piloto levou a aeronave até Goiânia, onde tentaria fazer um pouso de emergência, já que estavam quase sem combustível. O criminoso não permitiu que o avisão pousasse, ameaçando o comandante se o fizesse. Então, num ato de coragem e perícia, o piloto efetuou manobras bruscas, derrubando o sequestrador, que bateu com a cabeça em equipamentos da cabine e ficou atordoado por alguns minutos. O Vasp 375 pousava, então, em Goiânia, com a pista repleta de militares.

Durante sete horas após o pouso, da Conceição manteve todos a bordo como reféns. Depois de intensas negociações, ele pediu outro avião, para que pudesse fugir. E levaria o comandante Lima e Silva como refém. Na hora de trocar de aeronave, ele caiu em uma emboscada da polícia, levando um tiro de fuzil, que pegou de raspão. Com raiva, ele disparou contra o piloto, que foi atingido na perna.

O sequestrador morreu cinco dias depois, no hospital, por complicações do tiro. Já o comandante foi socorrido sem maiores problemas, mas morreu em 2020, aos 76 anos, segundo a família, de problemas cardíacos.

Ele é considerado um herói da aviação brasileira.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Ladrão em bicicleta filma roubo e ainda debocha da vítima em Santos; VEJA VÍDEO

O caso aconteceu há poucos metros do 2° Distrito Policial de Santos. "É dos 'menor'. Já era", disse o criminoso

Cotidiano

Rodovias Anchieta e Imigrantes registram 14 km de lentidão nesta manhã

Fluxo de veículos é uma das principais causas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter