X

PANDEMIA NO BRASIL

Há dois anos, enfermeira era a 1ª vacinada contra a Covid no Brasil

Ao lado de Doria, Mônica Calazans se tornava a 1ª brasileira vacinada contra a Covid, medida que se mostraria fundamental no combate à doença

Bruno Hoffmann

Publicado em 16/01/2023 às 23:24

Atualizado em 16/01/2023 às 23:54

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A primeira pessoa a ser imunizada foi a enfermeira Monica Calazans, 54, que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo / Divulgação/Governo de SP

Poucos minutos após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter aprovado o uso emergencial da CoronaVac, na manhã de 17 de fevereiro de 2021, a enfermeira paulista Mônica Calazans se tornava a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil, no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Mulher, negra, corintiana e moradora de Itaquera, ela tinha 54 anos e trabalhava no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. A vacinação foi acompanhada pelo então governador João Doria (sem partido, à época no PSDB), que havia atuado desde o início da pandemia – com direito a incontáveis conflitos com o então presidente Jair Bolsonaro (PL) - pela vacinação no Brasil.

O Brasil contava naquele dia quase 210 mil mortes pela Covid-19 ao total. A média diária era de 961 óbitos.

"Que a população acredite na vacina. Estou falando agora como mulher, brasileira, mulher negra, que acreditem na vacina. Vamos pensar no monte de vidas que nós perdemos, quantas famílias nós perdemos, quantos pais, mães, irmãos. Eu quase perdi um irmão também com Covid”, disse ela, logo após ser imunizada.

A primeira vacinadora do Brasil também foi uma mulher e enfermeira. Jéssica Pires de Camargo, aos 30 anos, atuava na Coordenadoria de Controle de Doenças e é mestre em Saúde Coletiva pela Santa Casa de São Paulo.

Apesar da esperança da vacinação (que derrubaria o número de mortes e casos graves pelos próximos meses), o clima político do Brasil estava péssimo àquela altura. Doria e o ministro da Saúde do momento, Eduardo Pazuello, deram coletivas quase simultâneas, com troca de farpas entre os governos federal e estadual.

O ministro afirmou que a aplicação da primeira dose no Estado estava “em desacordo com a lei” e chamou a medida de jogada de jogada de marketing de Doria. Todas as vacinas da CoronaVac, disse ele, haviam sido contratadas pelo Ministério da Saúde e teriam que ser coordenadas pelo governo federal.

Por sua vez, o governador – que havia anunciado o início da vacinação para aquele mês, o que fez o governo federal correr atrás de tentar antecipar o Estado – criticou Pazuello.

"Lamento que o senhor, como ministro da Saúde, que deveria estar grato à Anvisa e a São Paulo, que temos uma vacina, usa o tempo para protestar contra isso. É inacreditável uma situação como essa no Brasil. Aqui lutamos pela vida, e Brasília luta pelo quê?" , disse Doria.

Mônica Calazans se filiaria ao PSDB no mês seguinte a ter sido vacinada, e concorreu ao cargo de deputada federal nas eleições de 2022. Ela não foi eleita.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

Cotidiano

Biquíni com casaco? Litoral de SP terá sol nos próximos dias, mas sem calor

Apesar da presença constante do sol, as máximas não passam dos 23 graus

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter