X

EMENDAS

Emendas de R$ 42 milhões de ministro de Lula bancam empreiteiras alvos de PF e TCU

Não há uma base de dados que aponte o total de indicações de Juscelino que foram empenhadas e pagas

MATEUS VARGAS - FOLHAPRESS

Publicado em 02/02/2023 às 11:05

Atualizado em 02/02/2023 às 12:31

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Juscelino sugeriu repasses de R$ 16,5 milhões por meio desse tipo de emenda / Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Em 2022, quando o Congresso passou a divulgar as indicações dos parlamentares, Juscelino sugeriu repasses de R$ 16,5 milhões por meio desse tipo de emenda, principalmente para reforçar fundos municipais de saúde no Maranhão.

Não há uma base de dados que aponte o total de indicações de Juscelino que foram empenhadas e pagas. Procurado, o ministro não informou qual a cifra que indicou nos últimos anos.

Uma parte dos recursos foi distribuída a prefeituras em convênios com a Codevasf.

Em um dos casos, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo, o município de Vitorino Freire (MA) firmou contrato de R$ 7 milhões com a Construservice, sendo que a principal obra é para pavimentação de via que leva a uma fazenda do ministro.

A cidade é governada por Luanna (União Brasil), irmã de Juscelino. A Construservice participou sozinha da licitação aberta pela prefeitura de Vitorino Freire.

Outras três obras indicadas por Juscelino –de R$ 10 milhões– e executadas pela Engefort no mesmo município tornaram-se alvo da CGU (Controladoria-Geral da União).

Em relatório de 2022, o órgão afirmou que houve "uma série de serviços desnecessários", como a remoção de árvores e raízes em vias em ambiente urbano.

Em nota enviada à Folha no ano passado, Juscelino disse que a Codevasf "já prestou esclarecimentos" à CGU sobre as obras feitas na cidade de sua irmã.

"Em relação às obras realizadas com recursos de emendas de minha autoria, é importante dizer que os trabalhos foram devidamente executados e concluídos, beneficiando e melhorando a vida de dezenas de famílias vitorinenses", disse ainda o então parlamentar.

A Codevasf afirmou que observou recomendações emitidas pela CGU.

"A Codevasf possui sólida estrutura de governança e colabora ativamente com a atuação de órgãos de fiscalização e controle e da Justiça. Os procedimentos licitatórios da companhia são realizados com estrita observância à legislação aplicável", afirmou a estatal federal.

O ministro, por meio de sua assessoria, afirmou que as emendas "beneficiam diversas comunidades carentes do interior do Maranhão, tratando-se de medida perfeitamente legal".

"Assim como em toda emenda, a responsabilidade da contratação é do executor da obra, e não do parlamentar. Emenda parlamentar, vale dizer, é um instrumento legítimo e democrático", disse ainda.
Declarou que é "uma ilação" a tentativa de associar o deputado e as emendas às empresas.

O TCU aponta a Engefort como a principal beneficiada de um suposto cartel de empresas de pavimentação em fraudes a licitações da Codevasf que superam R$ 1 bilhão. Apenas essa empreiteira venceu editais com indícios de irregularidade de cerca de R$ 893 milhões, segundo auditores do tribunal.

Para realizar o pente-fino, o TCU adotou como base um guia de combate a cartéis usado pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Com isso, diz ter encontrado evidências de que as ações do cartel do asfalto envolveram propostas de fachada e combinação de rodízio entre as empresas.

A investigação da área técnica do tribunal foi motivada por uma série de reportagens da Folha sobre as manobras licitatórias da Codevasf e a participação de empresa de fachada nas concorrências vencidas pela Engefort.

Já a operação da PF em relação à Construservice, intitulada Odoacro, teve duas fases, sendo que em uma delas houve a prisão do suposto sócio oculto da empreiteira, o empresário Eduardo José Barros Costa, que depois foi solto.

Nesse inquérito da PF, a Construservice também é suspeita de ter pago propina de R$ 250 mil ao então gerente da estatal Julimar Alves da Silva Filho, que foi afastado de seu cargo público.

Questionada em outubro sobre o suposto cartel, a Codevasf disse que "os procedimentos licitatórios da instituição são realizados de acordo com leis aplicáveis, por meio do portal de compras do governo federal, e são abertos à livre participação de empresas de todo o país".

A empresa Engefort nega que tenha liderado um cartel para fraudar licitações da Codevasf. "A Engefort Construtora repudia veemente os apontamentos de que participou de um cartel, uma vez que nunca combinou preços com empresas concorrentes e jamais atuou para fraudar qualquer licitação", disse a empresa.

Afirmou ainda que não responde por outras empresas nem "pode ser responsabilizada pela participação destas em certames públicos".

Pai de Juscelino Filho e ex-prefeito de Vitorino, Freire Juscelino Rezende ainda acompanhou um representante da Engefort em reunião com o então chefe da 8ª superintendência da estatal, João Francisco Braga, em 2020.

Em nota, o Ministério das Comunicações disse que Juscelino Filho "esteve em diversas reuniões na Codevasf e em diversos outros órgãos, como é seu papel e dever de atuar em favor de sua região".

A Prefeitura de Vitorino Freire afirmou que todas as obras seguiram a legislação.

"Por meio dessas verbas [de emendas] temos investido em melhorias substanciais no município trazendo qualidade de vida aos cidadãos e garantindo o desenvolvimento socioeconômico da cidade. Todas as obras executadas seguiram as regras legais", disse o governo municipal.
 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Semana começa com chuva e terminará com mais chuva e frio no Litoral de SP

Para o fim de semana, por exemplo, as temperaturas despencam e chove no sábado (25) e no domingo (26)

Polícia

Ladrão em bicicleta filma roubo e ainda debocha da vítima em Santos; VEJA VÍDEO

O caso aconteceu há poucos metros do 2° Distrito Policial de Santos. "É dos 'menor'. Já era", disse o criminoso

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter