X

POLÍTICA

Dilma é ovacionada, e Lula culpa impeachment e Bolsonaro por retrocesso a mulheres

A declaração do chefe do Executivo ocorreu durante a cerimônia de anúncio de mais de 25 medidas para a mulher

MARIANNA HOLANDA E MATHEUS TEIXEIRA - FOLHAPRESS

Publicado em 09/03/2023 às 08:51

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Em seu discurso, Lula disse que caberá ao Judiciário fiscalizar se será cumprida a lei que determina o pagamento salarial idêntico entre homens e mulheres / Roberto Stuckert Filho

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta quarta-feira (8) que o impeachment de Dilma Rousseff (PT) e a eleição de Jair Bolsonaro (PL) representaram retrocesso à agenda das mulheres. 

O mandatário disse ainda que é preciso lutar para manter as conquistas, porque é fácil destruir algo que levou anos para ser construído. 

A declaração foi dada em seu discurso, durante a cerimônia do Dia da Mulher, no Palácio do Planalto, em que o governo anunciou um pacote de medidas voltadas para esta parcela da população. 

O evento contou com a presença de lideranças da sociedade civil, parlamentares. A ex-presidente Dilma foi a estrela do evento. A ex-mandatária foi recepcionada pelos presentes aos gritos de "olê, olê, olê, olá, Dilma", além de ter sido mencionada e aplaudida em discursos. 

Lula reconheceu que, apesar de bater recorde de ministras no primeiro escalão, com 11 nomeadas entre as 37 pastas, ainda está longe da paridade e as mulheres querem mais. 

"Depois de tudo que aconteceu aqui hoje, certamente muitas de vocês ainda tão dizendo 'mas falta muita coisa'. O fato de dizer que temos 11 mulheres no governo não faz vocês agradecerem ao governo, faz dizerem que faltam mais mulheres participando. Isso é um processo, que a gente vai avançando na medida que a sociedade vai avançando e conquistando espaço", disse. 

"Processo que começou em 2003, quando ganhou eleições, continuou a companheira Dilma quando ganhou em 2010. Mas é um processo que vocês percebem que sofreu retrocesso muito grande a partir do golpe de 2016 com companheira Dilma e sofreu um golpe ainda maior depois que o coisa foi eleito presidente da República desse país. Por isso, é importante vocês estarem preparadas, a gente tem que lutar não só para conquistar, mas para manter. Vocês perceberam que é muito fácil destruir uma coisa que levou anos para ser construída", completou. 

Dilma teve o mandato cassado em 2016 em processo de impeachment que tramitou na Câmara e no Senado. Ambas as Casas consideraram que a então presidente cometeu crime de responsabilidade pelas chamadas "pedaladas fiscais", com a abertura de crédito orçamentário sem aval do Congresso. A decisão, no processo e no mérito, foi acompanhada sem contestação pelo STF (Supremo Tribunal Federal). 

A agenda da mulher, em especial o feminicídio, tornou-se uma das principais bandeiras do governo Lula 3. O mandatário, em sua fala, disse que absolutamente nada justifica a desigualdade de gênero, "talvez o receio dos homens de serem superados pelas mulheres". 

A declaração do chefe do Executivo ocorreu durante o cerimônia de anúncio de mais de 25 medidas para a mulher. Uma das principais medidas anunciadas é o projeto de lei que será encaminhado ao Congresso para obrigar a remuneração igual para homens e mulheres que exerçam a mesma função. 

A ideia foi bandeira da então candidata e hoje ministra Simone Tebet (Planejamento) e foi incorporada pela campanha do petista. Já existem leis sobre o tema, mas que, na prática, não são cumpridas. Os detalhes ainda estão sendo fechados pela Casa Civil. 

Em seu discurso, Lula disse que caberá ao Judiciário fiscalizar se será cumprida a lei que determina o pagamento salarial idêntico entre homens e mulheres que desempenham a mesma função. 

"Quando fizemos a lei, fizemos questão de colocar a palavra obrigatoriedade de cumprir a lei, para que definitivamente no serviço público, nos escritórios, nos bancos, nas lojas, nas fábricas ninguém ganhe menos apenas pelo fato de ser mulher", afirmou. 

O chefe do Executivo citou diversas mulheres que marcaram a história do Brasil em seu discurso, como a pintora Tarsila do Amaral e a jogadora de futebol Marta. Também mencionou a luta da ex-presidente Dilma contra a ditadura militar. 

A Folha de S.Paulo antecipou parte das medidas, como a proposta de criar o Dia Nacional Marielle Franco e a construção de Casas da Mulher Brasileira e oficinas de fabricação de absorventes em presídios femininos. 

Além de as mulheres representarem mais da metade da população, há um componente político-eleitoral no incentivo a essas medidas. 

Durante as eleições, Lula foi beneficiado pela alta rejeição das mulheres contra o ex-presidente Bolsonaro. Por isso, ele credita parte da sua vitória a essa fatia do eleitorado. Ele tem dado destaque a elas em seus discursos e quer aproveitar março para reforçar essa mensagem. 

É também este segmento da sociedade que tem dado avaliações mais positivas à sua gestão. De acordo com a última pesquisa da Quaest, divulgada no final de fevereiro, 44% das mulheres avaliam como positivo o governo Lula 3, enquanto dentre os homens, é de 37%.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Variedades

Elenco de 'Atlas' fala sobre inspirações e avanço da Inteligência Artificial

O Diário do Litoral esteve presente de forma remota na coletiva de imprensa do filme, no México

Litoral Sul

Associação Comercial completa 60 anos em Itanhaém

Entidade promove um jantar para celebrar a data, neste sábado (25), no Centro de Convenções do Iate Clube

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter