X

Mundo

Você ficará impressionado com o poder de destruição desses países

Rússia e EUA lideram a lista de países com maior número de armas nucleares armazenadas

Luana Fernandes

Publicado em 29/07/2022 às 18:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Em até 1,8 km do local da queda de uma arma nuclear de 100kT, a destruição é completa / Divulgação

O início de uma guerra sempre faz um alerta sobre a soberania de alguns países e do poder de destruição que eles têm.  embate entre Rússia e Ucrânia fez o mundo inteiro se preocupar com as armas nucleares. Mas, de fato, você sabe o quanto estas grandes potências têm em mãos e o que elas podem fazer contra o mundo?

A Rússia é a primeira nação na lista dos países que mais possuem armas nucleares. São 5.977 ogivas. Em seguida, estão os Estados Unidos com 5.550. Juntos, eles totalizam 89,7% das armas nucleares do mundo.

Somente se as ogivas de outros países que fazem parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) foram somadas a dos EUA é que a Rússia sai do primeiro lugar. Com os arsenais nucleares mantidos pela França e pelo Reino Unido, 290 e 225, respectivamente, o total da Otan vai a 6.065.

O terceiro lugar desta lista fica com a China, que possui 350 armas nucleares. Em quarto segue França; em quinto, Reino Unido. Seguidos de Paquistão (165 ogivas), Índia (156 ogivas), Israel (90) e Coreia do Norte (50). Além disso, parte do arsenal americano está abrigado em locais estratégicos na Turquia, Itália, Alemanha, Holanda e Bélgica - todos pertencentes à Otan. Os números são estimativas já que os países não divulgam esses dados.

Segundo a Federação de Cientistas Americanos (FAS) e o Centro de Controle e Não Proliferação de Armas, há ao menos 100 bombas nucleares americanas na Europa atualmente e estão distribuídas em seis bases aéreas: 15 bombas em Kleine Brogel, na Bélgica; 15 bombas em Büchel, na Alemanha; 20 bombas em Aviano, na Itália; 15 bombas em Ghedi, na Itália; 15 bombas em Volkel, na Holanda; 20 bombas em Incirlik, na Turquia. Ainda de acordo com o Centro de Controle, as ogivas estão desativadas e são mantidas em cofres subterrâneos, com códigos de acesso em posse apenas de americanos.

Em janeiro de 2022, a Rússia, os EUA e outros países assinaram uma declaração conjunta para que a guerra nuclear e as corridas armamentistas fossem evitadas. Segundo as nações, uma guerra nuclear "não pode ser vencida" e "nunca deve ser travada".

Mas por que tanto medo? Armas nucleares podem causar destruição em massa e mudar a realidade da Terra definitivamente. Segundo cientistas nucleares, o uso deste tipo de arma em uma guerra pode escalar de um desastre local para uma catástrofe local rapidamente. "Milhões, talvez dezenas de milhões, morreriam nos primeiros 45 minutos", afirma a Associação de Controle de Armas.

Os sobreviventes também teriam que lidar com as consequências como a radiação nuclear, que causa doenças graves e até a morte, a destruição de infraestruturas básicas de internet, energia elétrica, saúde, transporte, alimentação e finanças.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Para se ter uma ideia, a União Soviética detonou a chamada “Tsar Bomb” em testes realizados no ano de 1961. Nesse evento, foi detectado que a bomba possui uma capacidade de destruição comparada à detonação de 50 milhões de toneladas de dinamite.

Tudo isso, gera um estrago 3 mil vezes maior do que as bombas detonadas pelos EUA na Segunda Guerra Mundial. Sendo assim, a “Tsar bomb” é considerada a mais potente arma nuclear já detonada.

Em até 1,8 km do local da queda de uma arma nuclear de 100kT, a destruição é completa; em até 3 km, destruição severa; em até 5 km, os danos são graves e em até 8km, são apenas danos. A explosão deste tipo de arma provoca bola de fogo que destrói edifícios, objetos e pessoas; uma onda de explosão que gera morte, ferimentos e danos às construções; radiação que provoca danos à células do corpo e causar doenças; além de danos provocados pelo pulso eletromagnético e a poeira radioativa que também podem provocar doenças. 

O Brasil, apesar de dispor da tecnologia necessária, não possui bombas nucleares graças à assinatura do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), que passou a vigorar no mundo no ano de 1970. Esse tratado conta com a participação de 189 países até o momento e tem o intuito de impedir a proliferação da tecnologia usada para o desenvolvimento de armas nucleares.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Cocaína é encontrada em casco de navio no Porto de Santos

Foram encontrados 64 tabletes de cocaína no sea chest do navio, compartimento localizado no casco

Santos

Praiamar Shopping recebe exposição de carros antigos

Chamada 'Carona para o Passado', mostra terá 16 veículos consagrados da Volkswagen expostos na Praça Central do mall a partir da próxima quinta-feira (18)

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software