X

COMPANHIA AÉREA

Viva Air: Companhia suspende operações, incluindo voos ao Brasil

Viva opera 35 rotas, e tem uma subsidiária no Peru; voos cancelados incluem rotas da Colômbia para Buenos Aires e São Paulo

RAFAEL BALAGO - Folhapress

Publicado em 28/02/2023 às 19:51

Atualizado em 28/02/2023 às 19:55

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Aeroporto / Rovena Rosa/Agência Brasil

A Viva Air, companhia aérea colombiana de baixo custo, suspendeu todas as operações na noite de segunda devido a problemas financeiros, segundo comunicado da empresa. Não há previsão de retorno.

Com isso, seus voos foram cancelados, incluindo rotas da Colômbia para Buenos Aires e São Paulo. A Viva opera 35 rotas, com frota de 20 aviões, e tem uma subsidiária no Peru.

"Lamentamos informar a suspensão temporária de nossas operações dada a falta de definição oportuna da [autoridade de] Aeronáutica Civil sobre a aliança entre Viva e Avianca, única possibilidade para seguir voando e cumprir com nossos compromissos", disse a Viva, em comunicado.

"Informamos aos passageiros com voos vigentes com a Viva que não poderemos honrar agora seus planos de viagem. Informaremos oportunamente os passos a seguir depois desta decisão", prossegue a nota.

A empresa também se comprometeu a trabalhar para "preservar sua capacidade de reiniciar as operações em uma data futura, supondo que a Aeronáutica Civil aprove de imediato a aliança pendente".

A situação gerou cenas de confusão em aeroportos colombianos nas últimas horas, como longas filas e aglomerações de passageiros em busca de informações. Muita gente chegou para viajar e descobriu só no aeroporto que não teria como embarcar.

Em Bogotá, muitos viajantes passaram a noite no aeroporto depois de terem seus voos cancelados. De madrugada, um grupo deles fez um protesto e bloqueou o acesso ao embarque internacional.

Na manhã desta terça (28), a Aeronáutica Civil disse que as empresas Latam, Avianca e Satena atenderão aos passageiros que tinham voos marcados até quarta (1º) com a Viva, sem custos extras. A remarcação deve ser feita diretamente nos aeroportos.

Em nota, a Avianca disse que realocará os passageiros afetados pela paralisação da Viva em seus voos, de forma gratuita, conforme houver disponibilidade e por ordem de chegada.

"Agora é o momento para nós, como indústria, ajudarmos as centenas de milhares de passageiros que são afetados por uma crise que era claramente evitável", disse Adrian Neuhauser, presidente da Avianca, no comunicado.

A Viva foi fundada em 2009, pela Irelandia Aviation, mesma dona de empresas de baixo custo como a Ryanair. Atualmente, possuía 15% do mercado colombiano, segundo a AFP.

Desde abril de 2022, a Viva busca a aprovação do governo para sua integração com a Avianca -maior companhia aérea da Colômbia- alegando que é a única maneira de superar seus problemas financeiros. Com a pandemia, as empresas aéreas tiveram grandes prejuízos com a suspensão de voos.

No começo de 2022, Viva e Avianca fizeram um acordo para unificar seus direitos econômicos, mas sem que houvesse mudanças na administração e operação das empresas. Ou seja: um mesmo dono receberia os lucros das duas empresas, mas a gestão delas seria feito de modo separado.

No entanto, meses depois, a Avianca disse que a situação financeira da Viva estava em perigo e propôs unificar parte das operações para cortar custos e poder investir na empresa.

O governo colombiano viu risco à concorrência e abriu um processo para analisar se autoriza a integração. Com a fusão, uma mesma empresa dominaria uma parcela muito grande do mercado do país. Assim, várias rotas poderiam ficar sem concorrência na prática.

Para tentar obter a liberação, as empresas se comprometeram a abrir mão de slots no aeroporto de Bogotá, o principal do país, e manter as duas marcas ativas, sendo que a Viva seguiria como uma empresa de baixo custo.

Depois de meses de debates, em janeiro, a Aeronáutica Civil anulou o caso porque encontrou uma "irregularidade substancial no processo administrativo". Com isso, o trâmite teve de recomeçar do zero.

Na segunda (27), a Aeronáutica Civil reconheceu que o caso da Viva é de interesse de terceiros, o que abre espaço para que outras companhias tenham suas propostas analisadas. Na prática, isso atrasará ainda mais o processo de análise de fusão entre Viva e Avianca.

A Viva diz que a indefinição do governo faz com que os credores se recusem a renegociar dívidas da empresa, que está em recuperação judicial desde o começo de fevereiro.

A Avianca está em um processo de união com a companhia brasileira Gol. Em 2022, elas assinaram um acordo com a Gol para criar a Abra, uma holding que juntará as operações das duas marcas.

A junção busca reduzir custos ao comprar insumos e ampliar possibilidades. As duas empresas concorrem em poucas rotas, e a união delas potencializa a malha: a Gol tem muitos destinos no Brasil e a Avianca traz conexões para a América Latina, EUA e destinos europeus.

A expectativa é que as duas marcas sigam operando de modo independente. A inspiração para a Abra, que terá sede no Reino Unido, é o grupo IAG, que reúne marcas como Iberia e British Airways, e a KLM Air France, cuja união também manteve duas estruturas separadas.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Saiba quantas calorias têm os seus lanches favoritos do McDonald´s

Informações foram retiradas do próprio site da rede de fast-food

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter