Visita de Obama remexe em feridas da população de Hiroshima

Como era esperado, o americano não se desculpou pelos bombardeios atômicos no Japão nem se questionou sobre a opção americana pelo uso da arma nuclear

Comentar
Compartilhar
27 MAI 2016Por Folhapress15h00
Obama cumprimentou alguns dos sobreviventes do bombardeio de Hiroshima após sua falaObama cumprimentou alguns dos sobreviventes do bombardeio de Hiroshima após sua falaFoto: Shuji Kajiyama/Associated Press/Estadão Conteúdo

Horas antes da visita do presidente Barack Obama a Hiroshima, a sobrevivente da bomba atômica Kinuyo Ikegami, 82, prestou suas homenagens no memorial da tragédia de 6 de agosto de 1945.
"Eu podia ouvir as crianças da escola gritarem: 'Me ajude! Me ajude!'", disse ela, entre lágrimas.

"Foi lamentável, muito horrível. Até agora, me enche de emoção."

Obama cumprimentou alguns dos sobreviventes do bombardeio de Hiroshima após sua fala, nesta sexta-feira (27), em que defendeu a necessidade de resolver conflitos pela diplomacia e a perseguição de um mundo sem armas nucleares.

Como era esperado, o americano não se desculpou pelos bombardeios atômicos no Japão nem se questionou sobre a opção americana pelo uso da arma nuclear.

Para o sobrevivente da bomba Eiji Hattori, 73, no entanto, a fala de Obama pode ser entendida como um pedido de desculpas.

"Me sinto diferente agora. Não achei que ele iria tão longe e falaria tanto. Sinto como se tivesse sido salvo de algum jeito. Para mim, foi mais que suficiente", disse.

Os pais e avós de Hattori, que vendiam arroz perto de onde a bomba caiu, morreram naquele dia ou em seguida. Hattori tem, hoje, três tipos de câncer.

Takeo Sugiyama, 85, também se disse tocado pela fala do americano.

"Espero que ele faça o máximo pela paz mundial até o final de seu mandato. Essa ação, sozinha, pode provar que ele pensa o que ele disse hoje", disse o sobrevivente, que perdeu a irmã mais nova no bombardeio de 1945.

Abstrato

Já Miki Tsukishita, 75, queria ter ouvido mais de Obama. "Temo que não ouvi nada concreto sobre como ele planeja alcançar a abolição das armas nucleares. Sobreviventes da bomba, como eu, estão ficando velhos. Apenas festejar sua visita não é suficiente."

O taxista Kenki Ishida, 68, nascido logo após o bombardeio, também diz que a visita é "só um primeiro passo". "Ainda estamos há dez anos da possibilidade de um presidente pedir desculpas."

"Não podemos dizer para a Coreia do Norte não ter bombas nucleares quando os Estados Unidos têm (...) Não é possível nos livrarmos das armas nucleares quando elas são usadas para a dissuasão."