União Europeia defende mais restrições para combater o coronavírus

Vítimas de infecções são mais de 10 milhões de pessoas na Europa

Comentar
Compartilhar
30 OUT 2020Por Agência Brasil09h20
França e Alemanha, maiores países do bloco, anunciaram novos lockdowns nesta semana, em um momento em que as infecções no continente passaram da marca de 10 milhõesFoto: REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

A comissária de Saúde da União Europeia (UE), Stella Kyriakides, disse nesta sexta-feira (30) que os países do bloco devem estar prontos para impor restrições sobre a vida das pessoas visando combater a disseminação do novo coronavírus pelo continente.

"Precisamos fazer isso onde for necessário, com restrições à vida diária para quebrar a corrente de transmissão", disse ela em videoconferência com ministros da Saúde de países da UE.

França e Alemanha, maiores países do bloco, anunciaram novos lockdowns nesta semana, em um momento em que as infecções no continente passaram da marca de 10 milhões e hospitais e leitos de terapia intensiva ficaram cheios com pacientes com covid-19.

Restrições atingem bares e restaurantes
Bares, restaurantes, eventos esportivos e culturais foram restringidos ou fechados em vários outros países europeus.

Kyriakides reconheceu que algumas das medidas necessárias são "dolorosas" e que muitas pessoas na Europa estão agora mais relutantes em seguir as novas restrições, que vêm após lockdowns generalizados adotados durante a primavera local no pico da primeira onda.

A comissária da UE disse, ainda, que os países do bloco também devem ampliar sua testagem e capacidades de rastreamento de contatos, além de aumentar a capacidade dos sistemas de saúde.