Trump pede fim do politicamente correto após ataques em Londres

O ataque deste sábado foi o terceiro a atingir o Reino Unido em pouco mais de dois meses, após um incidente semelhante na ponte de Westminster, em 22 março

Comentar
Compartilhar
05 JUN 2017Por Folhapress04h30
Donald Trump pediu ao mundo para deixar de ser "politicamente correto"Donald Trump pediu ao mundo para deixar de ser "politicamente correto"Foto: John Locher/Associated Press/Estadão Conteúdo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu ao mundo para deixar de ser "politicamente correto" a fim de garantir maior segurança, depois do ataque em Londres que deixou sete mortos.

"Nós devemos parar de ser politicamente corretos e nos concentrar no assunto da segurança para o nosso povo", escreveu Trump no Twitter. "Se não formos inteligentes, só vai piorar."

"Pelo menos 7 mortos e 48 feridos em ataque terrorista e o prefeito de Londres diz que não há 'motivos para se alarmar!'", prosseguiu o presidente americano.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, eleito no ano passado, o primeiro muçulmano a liderar uma importante capital ocidental, havia dito que os britânicos não deveriam ficar alarmados ao ver uma maior presença policial nas ruas de Londres após o incidente.

Anteriormente, Trump ofereceu ajuda dos EUA à Grã-Bretanha e promoveu sua controversa proibição de viagem como um nível extra de segurança para os norte-americanos.

"Tudo o que os Estados Unidos podem fazer para ajudar em Londres e no Reino Unido, estaremos lá -Nós estamos com vocês. Deus os abençoe", Trump escreveu no sábado.

Donald Trump também falou com a primeira-ministra britânica, Theresa May, para oferecer suas condolências e ofereceu o "apoio total" de Washington para investigar e levar os responsáveis pelo ataque à Justiça, afirmou a Casa Branca em um comunicado.

O ataque deste sábado foi o terceiro a atingir o Reino Unido em pouco mais de dois meses, após um incidente semelhante na ponte de Westminster, em 22 março, e o atentado que matou 22 pessoas em um concerto pop em Manchester, norte da Inglaterra, menos de duas semanas atrás.