X
'It: A Coisa'? Não! Ted Bundy existiu de verd

Predador sexual, 'palhaço Pogo' existiu de verdade, abusou e matou 33 garotos adolescentes

Muito antes de Stephen King apresentar Pennywise em "It - A Coisa", um verdadeiro palhaço assassino assombrou as ruas da região metropolitana de Chicago

'Pogo' abusou e matou 33 garotos adolescentes / Reprodução/Internet

Muito antes de Stephen King apresentar ao mundo o Pennywise em "It - A Coisa", um verdadeiro palhaço assassino assombrou as ruas da região metropolitana de Chicago. Agora, a história de John Wayne Gacy será contada em uma nova série documental da Netflix.

Trata-se da segunda temporada de "Conversando com Um Serial Killer", que no primeiro ano contou a história de Ted Bundy. A proposta é investigar como funcionavam as mentes desses assassinos e explicar como se esconderam apesar de seus crimes. Os episódios estreiam no próximo dia 20 de abril na plataforma de streaming.

Palhaço assassino 

Querido na comunidade e nos subúrbios de Chicago, John Wayne Gacy era um homem que sonhava em entrar para a política, e ganhava a vida fazendo apresentações como palhaço (às vezes, Pogo; às vezes, Patches) em eventos de caridade, hospitais ou festas infantis. 

Essa personalidade pública fez com que Gacy ficasse conhecido e ganhasse o carinho de outros membros da comunidade e moradores da região. Essa persona aparentemente inocente e feliz também o ajudava a esconder seus crimes e não gerar muita desconfiança.

O homem foi acusado de torturar, estuprar e matar pelo menos 33 garotos adolescentes entre 1972 e 1978, no condado de Cook. Grande parte de suas vítimas foram encontradas enterradas no quintal da casa em que Gacy morava, e muitas delas ainda não foram identificadas, mesmo com análises minuciosas de DNA.

Predador

Gacy saía pelas ruas de carro, durante o dia, e conversava com rapazes para oferecer emprego em sua construtora. Muitos dos garotos acreditavam e aceitavam uma carona. Para os que não aceitavam, John Wayne oferecia maconha e dinheiro em troca de sexo. 

Dentro do carro, ele atacava as vítimas e, em sua casa, iniciava uma sessão de tortura e abusos sexuais, sempre as amordaçando com suas próprias cuecas. Quase todas as pessoas foram mortas por asfixia ou estrangulamento.

Gacy foi preso em 1978, e recebeu a sentença de morte em 1980. O assassino foi condenado a 21 prisões perpétuas e 12 penas de morte, e foi executado via injeção letal em maio de 1994. 

O criminoso inspirou muitas histórias de terror e personagens macabros dentro da cultura pop, e até hoje há alguns debates sobre o quanto ele realmente teria servido de influência para Stephen King criar a entidade de sua obra literária.

Muitos acreditam que, conscientemente ou não, há alguns reflexos do assassino real na obra de ficção. 

De qualquer forma, os assassinatos de Gacy causaram medo generalizado em muitos americanos, e acabaram ajudando a fomentar a aversão generalizada a pessoas fantasiadas de palhaço e com pinturas brancas e vermelhas no rosto.

*Do Splash, Uol/Laysa Zanetti

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Férias escolares de julho reacendem a discussão sobre guarda compartilhada

Especialista dá orientações sobre a divisão do tempo dos filhos com guardiões divorciados

São Vicente

Miramar Shopping traz brincadeiras de ilusão de ótica nas férias de julho

São quatro atrações espalhadas por todo o shopping que desafiam os sentidos, como a visão e o tato; evento é gratuito

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software