Potências europeias reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela

O prazo de oito dias fixado por alguns dos principais países europeus para que o ditador Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais terminou na noite de domingo (3)

Comentar
Compartilhar
04 FEV 2019Por Folhapress19h30
Potências europeias não reconhecem Nicolás Maduro como presidente da VenezuelaFoto: Associated Press

Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Holanda, Portugal, Suécia, Áustria, Dinamarca, Letônia e Lituânia reconheceram nesta segunda-feira (4) o deputado Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

O prazo de oito dias fixado por alguns dos principais países europeus para que o ditador Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais terminou na noite de domingo (3).

Presidente da Assembleia Nacional, de maioria oposicionista, Guaidó se declarou presidente encarregado da Venezuela em 23 de janeiro, apenas alguns dias depois de Maduro iniciar um novo mandato. Algumas horas depois, já colhia o apoio dos Estados Unidos e de vários latino-americanos, como Brasil, Colômbia, Chile e Peru.

Na quinta (31), o Parlamento Europeu se juntou aos que referendam a condição de líder de Guaidó e urgiu a União Europeia a fazer o mesmo, mas há divisões claras no bloco.

Hungria e Grécia, por exemplo, não querem desautorizar o ditador, e a coalizão governista da Itália não consegue chegar a uma posição comum diante de seus desmandos -a ala mais direitista tem ojeriza pelo socialista, a mais "antissistema" pede paciência com ele.

Em 2018, o pleito que reconduziu Maduro ao comando em Caracas foi quase que totalmente boicotado pela oposição e considerado fraudulento por observadores internacionais.

A Venezuela vive uma crise socioeconômica sem precedentes em sua história, com hiperinflação, emigração em massa, desnutrição e colapso do sistema de saúde e de outros serviços públicos.

Maduro ainda se aferra ao poder, com o suporte de Rússia, China e Turquia. Nesta segunda, Moscou reiterou seu alinhamento com o ditador.

Em nota, o governo russo diz que a movimentação europeia para legitimar a "tentativa ilegal" de tomada de poder por Guaidó constitui intromissão externa indevida.

Apesar do aumento da pressão internacional, o dirigente venezuelano mantém o tom desafiador e triunfante. Tem dito que a Europa age como fantoche de Washington. Em entrevista a uma rede de TV espanhol exibida neste domingo (3), mirou dos dois lados do Atlântico.

"Pare agora, Trump! Você está cometendo erros que deixarão suas mãos cobertas de sangue, e você mesmo deixará a Presidência manchado de sangue", afirmou Maduro. "Por que repetir o Vietnã?".

Sobraram ainda alfinetadas para os europeus. "Não nos importamos com o que a Europa diz. Não aceitamos ultimatos de quem quer que seja. Não se pode basear a política externa em ultimatos. Isso é coisa de império, dos tempos coloniais."

Maduro chegou a pedir ajuda ao papa Francisco, segundo entrevista gravada em Caracas divulgada nesta segunda-feira.

"Enviei uma carta ao papa Francisco", afirmou Maduro. "Disse a ele que estou a serviço da causa de Cristo (...) e nesse espírito peço sua ajuda, em um processo de facilitação e reforço do diálogo."

Os pronunciamentos europeus ocorrem dias após outra importante vitória para Guaidó: o primeiro reconhecimento oriundo de um general venezuelano.

No último sábado (2), Francisco Estéban Yánez Rodríguez afirmou desconhecer o mandato de Nicolás Maduro. Rodríguez é general-de-divisão e diretor de Planificação Estratégica do Alto Comando da Aviação (equivalente à Força Aérea).

Colunas

Contraponto