X
Mundo

Posse teve a maior audiência da história, diz secretário de Trump

Horas antes, seu chefe havia atacado os meios de comunicação pela estimativa de público baixo em sua posse

Sean Spicer, secretário de Trump, disse que a posse teve a maior audiência da história / Associated Press

O secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou neste sábado (21) que a posse de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, na véspera, registrou a "maior audiência" da história, tanto presencialmente quanto na TV.

"Esta foi a maior audiência na história a testemunhar uma posse. Ponto final." Ele não apresentou números que confirmassem sua afirmação.

Horas antes, seu chefe havia atacado os meios de comunicação pela estimativa de público baixo em sua posse. Em discurso na sede da CIA (serviço secreto americano), Trump disse estar "em guerra" com a mídia, que classificou de "desonesta".

Segundo o presidente, apesar das estimativas apresentadas pela imprensa, e pelas imagens de espaços vazios no National Mall, em Washington, a multidão teria se estendido do Congresso até o Washington Monument, que fica no meio do Mall.

"Parecia ser 1 milhão ou 1,5 milhão de pessoas", disse, debochando de estimativas de que o público teria sido de 200 mil pessoas.

O número real foi bem abaixo dos 900 mil esperados na véspera e longe dos 1,8 milhão de pessoas na primeira posse de Barack Obama, em 2009, que teve, entre outras vantagens, o eleitorado predominantemente democrata em Washington.

Neste sábado, milhares de pessoas foram às ruas para protestar contra Trump. O maior protesto, a Marcha das Mulheres em Washington, reuniu cerca de 500 mil pessoas, segundo os organizadores.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Ainda não é possível confirmar que reforço vacinal neutraliza ômicron, diz OMS

Segundo a entidade, existe a expectativa de ter melhores evidências sobre a eficácia do reforço vacinal nas próximas semanas com o desenvolvimento de novas pesquisas

Política

Lula diz ver Brasil encalacrado e cobra aliados na trincheira de sua campanha em 2022

O petista disse que não poderá voltar ao Planalto para fazer menos do que fez em suas primeiras gestões (2003-2006 e 2007-2010)

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software