Pfizer e Moderna solicitam autorização para uso de vacinas contra Covid na Europa

De acordo com dados preliminares, a vacina da Pfizer tem 95% de eficácia e a da Moderna, cerca de 94%

Comentar
Compartilhar
01 DEZ 2020Por Gazeta de S. Paulo16h45
As duas vacinas são genéticas, ou seja, usam um pedaço do código genético do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para induzir a produção de anticorposFoto: DIVULGAÇÃO / PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ

Nesta terça-feira (1º), as farmacêuticas Pfizer e Moderna pediram autorização para uso de suas vacinas contra Covid-19 na Europa. Os pedidos foram feitos à Agência Europeia de Medicamentos, que poderá decidir sobre o uso dos imunizantes até 29 de dezembro e 12 de janeiro, respectivamente.

A decisão da agência reguladora depende dos dados sobre qualidade, segurança e eficácia das vacinas. De acordo com a entidade, as autorizações só podem ser feitas rapidamente pois a agência já estava recebendo dados sobre ambas as vacinas de forma contínua. Contudo, os prazos também podem mudar.

Solicitação nos EUA

As farmacêuticas já pediram aprovação para uso emergencial de suas vacinas nos Estados Unidos. A Pfizer realizou o pedido no dia 20 de novembro e a Moderna, na última segunda-feira (30).

De acordo com dados preliminares, a vacina da Pfizer tem 95% de eficácia e a da Moderna, cerca de 94%.

Vacinas

As duas vacinas são genéticas, ou seja, usam um pedaço do código genético do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para induzir a produção de anticorpos pelo sistema de defesa do corpo.

A Pfizer está realizando testes da fase 3 no Brasil. Em novembro, executivos da farmacêutica reuniram-se com o Ministério da Saúde para falar sobre o imunizante, mas não há anúncio de compra pelo governo brasileiro.

A Moderna não anunciou parcerias e nem faz testes no país.