Papa pede que pais não condenem filhos gays e sugere 'ajuda psiquiátrica'

Falando a repórteres após encerrar uma reunião sobre a família católica na Irlanda, Francisco afirmou: 'Sempre houve pessoas gays e pessoas com tendências homossexuais'

Comentar
Compartilhar
27 AGO 2018Por Estadão Conteúdo19h08
Papa pede que pais não condenem filhos gaysPapa pede que pais não condenem filhos gaysFoto: Associated Press

O papa Francisco disse nesta segunda-feira, 27, que pais de crianças gays não deveriam condená-los, ignorar sua orientação ou expulsá-los de casa. Em vez disso, ele pediu oração, diálogo e orientação. Ele também afirmou que pode ser "necessário" procurar "ajuda psiquiátrica". 

Falando a repórteres após encerrar uma reunião sobre a família católica na Irlanda, Francisco afirmou: "Sempre houve pessoas gays e pessoas com tendências homossexuais".

Perguntado sobre o que diria a um pai que acabou de saber que o filho é gay, o papa aconselhou, primeiramente, oração. "Não condene. Dialogue. Entenda e dê espaço para a criança para que ela possa se expressar."

Francisco destacou que pode ser necessário procurar "ajuda psiquiátrica", se uma criança começar a exibir traços "preocupantes". "Outra coisa é quando isso se manifesta depois dos 20 anos", acresceu o pontífice.

Ele pediu aos pais que não respondam com silêncio. "Ignorar uma criança com essa tendência mostra falta de maternidade e paternidade".

"Esta criança tem direito a uma família. E a família não pode jogá-lo fora", disse.

Vaticano

Após repercussão nas redes sociais, o Vaticano retirou, nesta segunda-feira, a referência à psiquiatria na declaração dada, destacando que o sumo pontífice não quis abordar o tema como "uma doença psiquiátrica".