X

PONTÍFICE

Papa Francisco defende paridade salarial por gênero no Dia Internacional da Mulher

A discussão sobre igualdade de gênero na Igreja Católica ganhou impulso na gestão do argentino

FOLHAPRESS

Publicado em 08/03/2023 às 10:32

Atualizado em 08/03/2023 às 10:33

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Mesmo assim, as mulheres se queixam que o arcaísmo persiste intacto no catolicismo / Vatican Media/Divulgação

O papa Francisco condenou a disparidade salarial entre homens e mulheres e defendeu a igualdade de oportunidades para elas em uma pensata divulgada pelo site oficial do Vaticano nesta quarta-feira (8), quando se celebra o Dia Internacional da Mulher. 

"Gosto de pensar que, se as mulheres tivessem acesso à igualdade de oportunidades, elas poderiam contribuir substancialmente para as mudanças necessárias para criar um mundo de paz", afirma o pontífice no texto, que serve de prefácio ao livro "More Women's Leadership for a Better World", ou mais liderança feminina para um mundo melhor, publicado pela editora italiana Vita e Pensiero. 

"É justo", prossegue ele, "que elas possam expressar essas habilidades em todos os âmbitos, não apenas naquele familiar, e possam ser remuneradas de maneira equânime em relação aos homens ao desempenhar papéis iguais". 

A discussão sobre igualdade de gênero na Igreja Católica ganhou impulso na gestão do argentino, que levou mulheres a ganharem um protagonismo inédito no Vaticano. De acordo com dados da Santa Sé, a quantidade de mulheres que trabalham na Cúria Romana -isto é, a administração da Igreja Católica- quase triplicou desde a eleição de Francisco em 2013, indo de 812 para 3.114. Sua presença em comparação com a de funcionários homens também aumentou em relação ao papado anterior, e foi de 19,3% para 26,1%. 

O menor Estado independente do mundo, com menos de mil habitantes, diz inclusive ser o único em que há paridade absoluta de remuneração em termos de gênero. 

Mesmo assim, as mulheres se queixam que o arcaísmo persiste intacto no catolicismo, seja na cúpula da igreja em Roma ou nas paróquias espalhadas pelo mundo. São as mulheres, geralmente irmãs consagradas, que servem padres, bispos e cardeais como empregadas domésticas, quase sempre sem nenhum direito reconhecido. 

A possibilidade do diaconato feminino -primeiro degrau na ordenação na hierarquia católica, seguido por padres e bispos- também não avançou sob seu papado, embora o pontífice tenha criado uma comissão para discutir o tema em 2016. 

Francisco também fez referência a elas durante sua missa semanal no Vaticano, também nesta quarta-feira. Na ocasião, abençoou as mulheres presentes e pediu uma salva de palmas a ela.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Adolescente mata pais a martelada e ateia fogo no quarto

O crime teria ocorrido após uma discussão da família

Cotidiano

Prédio é invadido e roubado novamente em Santos; ASSISTA

Eles levaram a bicicleta de uma moradora do prédio

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter