X

Mundo

Ossos em sarcófago no Egito são de guerreiros e não de Alexandre Magno

Sarcófago foi encontrado durante uma inspeção em uma escavação realizada em um terreno particular no bairro de Sidi Gaber

Agência Brasil

Publicado em 19/07/2018 às 22:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Restos mortais não são de Alexandre, o Grande / Reprodução

O Ministério de Antiguidades do Egito anunciou hoje (19) que no sarcófago encontrado em um bairro de Alexandria, no norte do país, há três esqueletos que provavelmente pertencem a oficiais militares ou guerreiros, o que acaba com as especulações de que poderia se tratar dos restos mortais de Alexandre, o Grande.

Em comunicado, o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades e chefe da missão egípcia, Mustafa Waziri, indicou que o sarcófago de rocha negra, encontrado durante uma inspeção em uma escavação realizada em um terreno particular no bairro de Sidi Gaber, estava cheio de águas residuais.

Um especialista no estudo de múmias e esqueletos, Shaaban Abdelmoneim, citado pelo ministério, indicou que o primeiro exame dos ossos revelou que eles provavelmente eram de "três oficiais militares ou guerreiros".

Um dos crânios apresenta um ferimento por uma flecha, assinalou o especialista, sem oferecer mais detalhes.

Os três esqueletos foram transferidos aos armazéns do Museu Nacional de Alexandria para serem analisados, afirmou o ministério na nota.

O interior do sarcófago foi alvo de polêmica desde que foi descoberto há três semanas, já que o ministério indicou que o achado datava da época ptolemaica, que consiste no século 3 a.C.

O período greco-romano dos ptolomeus começou no Egito com a conquista do país por Alexandre Magno, no ano de 332 a.C. (antes de Cristo), e finalizou com a tomada de Alexandria pelos romanos, 30 anos antes de Cristo, quando o país era governado pela rainha Cleópatra VII.

Nos últimos dias, vários veículos de imprensa estrangeiros, citando especialistas egípcios, tinham assegurado que no interior do sarcófago poderia estar a múmia de "um líder do primeiro escalão", o que alimentou os rumores nas redes sociais de que poderia se tratar do próprio Alexandre, o Grande.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Variedades

Novas formatações de texto são liberadas no Whatsapp

Segundo a empresa, a atualização permitirá aos usuários se comunicarem de maneira mais eficaz e economizar tempo

Diário Mais

Por que algumas pessoas fazem o sinal da cruz ao passar por um cemitério?

Gesto tem explicação religiosa

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter