X

Mundo

Odebrecht oferece colaboração à Justiça argentina para revelar propina

Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht teria pago subornos a políticos argentinos no valor de US$ 35 milhões, entre 2007 e 2014

Folhapress

Publicado em 13/05/2017 às 19:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O escritório da Odebrecht na Argentina enviou proposta à Justiça local se predispondo a colaborar para revelar as identidades daqueles que teriam recebido propina / Divulgação

O escritório da Odebrecht na Argentina enviou proposta à Justiça local se predispondo a colaborar para revelar as identidades daqueles que teriam recebido propina da empreiteira brasileira no país.

Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht teria pago subornos a políticos argentinos no valor de US$ 35 milhões, entre 2007 e 2014 -período que engloba as gestões de Cristina Kirchner na Presidência e de Mauricio Macri como chefe de governo de Buenos Aires.

Em comunicado enviado à reportagem, a Odebrecht diz que "se apresentou diante da Justiça Federal argentina oferecendo um acordo de colaboração amplo e eficaz, similar aos celebrados diante das autoridades judiciais do Brasil, da Suíça, dos EUA e da República Dominicana A Justiça argentina ainda não se pronunciou sobre a oferta.

Na última quinta-feira (11), porém, ocorreu novo desdobramento do caso na Argentina. O doleiro brasileiro Leonardo Meirelles, acusado na Lava-Jato, deu declarações via teleconferência ao promotor local Federico Delgado.

Segundo a Procuradoria argentina, Meirelles declarou ter realizado várias transferências, chegando a um total de US$ 850 mil, a Gustavo Arribas, atual chefe de inteligência do governo Mauricio Macri, e acrescentou que se tratavam de propinas provenientes das construtoras Odebrecht e OAS.

As declarações de Meirelles entram em contradição com a explicação que Arribas havia dado à Justiça sobre a acusação. No começo do ano, Arribas declarou que havia recebido apenas US$ 70 mil por meio de Meirelles, em 2013.

Naquela época, Arribas atuava no setor privado, entre outras coisa agenciando contratos de jogadores de futebol, e vivia em São Paulo. Acrescentou que o valor se referia a uma venda de objetos que estavam dentro de um apartamento que possuía no Brasil.

O presidente Macri, que é amigo pessoal de Arribas, corroborou a informação. O chefe do serviço de inteligência acabou sendo absolvido pela Justiça local.

As novas declarações de Meirelles, porém, que inclusive deu detalhes sobre a conta bancária usada por Arribas na Suíça, podem reabrir a causa contra o homem de confiança do mandatário.

A principal obra da Odebrecht no país é o soterramento de uma importante linha de trem em Buenos Aires, que foi realizada em parceria com uma companhia local que pertencia a um primo de Macri.

Segundo investigação do "La Nación", o atual presidente também teria recebido "caixa 2", assim como seus rivais na eleição de 2015, da Odebrecht, por meio da Braskem. Procurada pela reportagem, a construtora negou os pagamentos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Praia Grande oferece 50 vagas gratuitas para oficina de fotografia

Inscrições começam na próxima segunda (22), no Palácio das Artes

COPA DO BRASIL

Sorteio define mandos das semis da Copa do Brasil; veja quem decidirá em casa

É a primeira vez na história que uma competição de cunho nacional terá a decisão das semis sendo do eixo Rio-SP, com 2 de cada estado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software