X

Mundo

Nicarágua deporta documentarista brasileira presa antes de protesto

A informação foi conformada hoje (27) pelo secretario-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH)

Agência Brasil

Publicado em 27/08/2018 às 17:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Depois de passar mais de 30 horas detida pelas autoridades da Nicarágua, a documentarista brasileira Emilia Mello foi deportada. A informação foi conformada hoje (27) à Reportagem pelo secretario-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Paulo Abrão. Segundo ele, que acompanhou o caso, Emilia embarcou ontem (26) em um voo da Avianca e fez escala em El Salvador e na Cidade do México. Ela deve continuar viagem para Nova Iorque, pois também tem nacionalidade norte-americana.

"Ela foi submetida a interrogatório e relatou maus tratos psicológicos”, disse Abrão. A documentarista foi detida no sábado (25) quando se dirigia a uma passeata contra o presidente Daniel Ortega, na cidade de Granada. Ela foi detida junto com outras 20 pessoas – a maioria estudantes universitários, que há quatro meses estão nas ruas protestando. Todos foram liberados, com exceção de Emilia, que acabou sendo deportada. “O governo alegou que o visto dela era de turista e não permitia que ela trabalhasse”, disse Abrão.

Para a Associação Nicaraguense de Cinematografia (Anci), o ato é uma demonstração de censura e violência, pois houve uma tentativa de impedir de “contar ao mundo a história do que estamos vivendo e registrar qualquer violação dos direitos humanos”, informa o comunicado da Anci.

A CIDH, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA), mantém uma equipe na Nicarágua para acompanhar as denúncias de violações de Direitos Humanos e informou que 322 pessoas morreram em quatro meses de protestos contra o governo de Ortega, das quais 21 eram policiais e 23, crianças e adolescentes.

Protestos

A estudante brasileira de medicina Raynéia Gabrielle Lima foi morta a tiros no final de julho. As autoridades nicaraguenses negam perseguição política, assim como o uso da força e da violência.

Os protestos na Nicarágua começaram no dia 18 de abril contra a reforma da Previdência, que acabou sendo revogada diante da pressão social. Mas as manifestações se intensificaram e houve repressão da polícia e de grupos paramilitares ligados ao governo.

A Igreja Católica e a Aliança Cívica (formada por setores da sociedade civil, que reúne desde estudantes a empresários) pedem a antecipação das eleições presidenciais no país, mas Ortega diz que concluirá seu terceiro mandato consecutivo. Segundo Abrão, 130 pessoas continua presas por participação nas manifestações – muitas delas acusadas de terrorismo.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Quarteto que transportava mais de 100 kg de cocaína no Porto recebe sentença

A sentença foi datada no último dia 20 de fevereiro, porém a prisão só ocorreu em julho de 2023

Nacional

Veículos locais não têm mais preferência na balsa de Ilhabela; entenda

A decisão, unânime do Órgão Especial do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), é da última quarta-feira (21)

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter