Mulher é detida após tentar atropelar policiais do Congresso dos EUA

A mulher dirigia pela Independence Avenue, avenida que separa os jardins do Capitólio do prédio Rayburn

Comentar
Compartilhar
29 MAR 2017Por Folhapress17h30
Tiros foram disparados, mas ninguém ficou ferido na ação, segundo a políciaFoto: Divulgação

Uma mulher foi detida na manhã desta quarta-feira (29) após avançar, com um carro, sobre policiais que fazem a segurança de um prédio anexo ao Congresso americano, em Washington. Tiros foram disparados, mas ninguém ficou ferido na ação, segundo a polícia.

De acordo com Eva Malecki, diretora de comunicação da polícia do Capitólio, pouco depois das 9h (10h de Brasília) agentes tentaram parar um veículo que era conduzido "de forma errática e agressiva" próximo ao prédio Rayburn, um dos quatro anexos do Congresso que abrigam escritórios. Após alguns disparos, o carro foi parado e a motorista, rendida.

Malecki, contudo, disse que o incidente não aparenta ter "conexão com terrorismo" e que vem sendo tratado como uma ação criminosa.

A mulher dirigia pela Independence Avenue, avenida que separa os jardins do Capitólio do prédio Rayburn. As informações ainda eram desencontradas até as 11h (12h de Brasília) e não era possível confirmar, por exemplo, se a motorista detida chegou a tentar invadir o prédio ou de onde partiram os disparos.

"Durante a tentativa de prender o suspeito, tiros foram disparados", disse Malecki, completando que o caso está sendo investigado. A identidade da motorista também não havia sido divulgada.

O incidente ocorre uma semana depois de um homem avançar com um carro sobre pedestres perto do Parlamento britânico, em Londres, matando três pessoas e ferindo outras 40, antes de tentar entrar no prédio e matar um policial.

Após o incidente, a parte exterior do Capitólio foi rapidamente esvaziada, mas Malecki disse que as atividades dentro do Congresso seguiriam normalmente durante o dia.

No início do mês, Jonathan Tran, 26, pulou a cerca da Casa Branca e ficou nos jardins por 16 minutos antes de ser detido por agentes do serviço secreto. Ele não chegou a entrar na residência, como ocorreu em 2014, quando um veterano da Guerra do Iraque com distúrbios psicológicos invadiu o local com uma faca.