X

Mundo

Morre ex-presidente do Chile, Sebastián Piñera, em acidente de helicóptero

Havia quatro pessoas na aeronave, e três dela foram encontradas pelas equipes de emergência

Folhapress

Publicado em 06/02/2024 às 16:49

Atualizado em 06/02/2024 às 20:21

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Ex-presidente do Chile Sebastián Piçnera / Reprodução/Governo do Chile

Presidente do Chile por dois mandatos (2010-2014 e 2018-2022), Sebastián Piñera morreu nesta terça-feira (6), aos 74 anos, em um acidente de helicóptero na comuna de Lago Ranco, região de Los Ríos, no centro-sul do Chile.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Quatro pessoas viajavam na aeronave, que caiu minutos depois da decolagem. O presidente, que pilotava o veículo, foi a única vítima fatal, já que os outros três passageiros conseguiram sair do helicóptero e chegar até a margem do lago.

Foram ao local bombeiros, a polícia, o Serviço de Atendimento Médico de Urgências e as Forças Armadas. A aeronave estaria submersa a 40 metros de profundidade, de acordo com o La Tercera. O jornal local também afirma que o corpo de Piñera foi recuperado do fundo do lago e transportado em uma lancha das Forças Armadas para terra firme.

O ex-presidente voltava de um almoço da casa do empresário José Cox, para onde, segundo o jornal, foram encaminhados os sobreviventes. "Agradecemos as enormes expressões de carinho e preocupação que recebemos durante essas horas amargas", afirmou o escritório do empresário ao confirmar sua morte.

Após o acidente, que foi registrado perto das 15h, a procuradoria regional de Los Ríos confirmou a abertura de uma investigação para investigar as circunstâncias da queda do veículo. Nesta terça, houve fortes chuvas na região em que o helicóptero voava.

Ainda não se sabe por que Piñera não saiu da aeronave como os outros passageiros —alguns relatos na imprensa dizem que o ex-presidente não teria conseguido soltar o cinto e teria ficado preso na aeronave, enquanto outros mencionam um possível infarto.

No final da tarde, a ministra de Interior e Segurança Pública, Carolina Tohá, confirmou a morte e afirmou que o atual presidente, Gabriel Boric, "determinou que se realize, como corresponde, um funeral de Estado e que se declare luto nacional".

"Queremos expressar nossa comoção por essa tragédia, enviar o nosso abraço solidário à família do ex-presidente e a todos que são próximos a ele, mas também a todas as chilenas e chilenos", afirmou ela. "Ele nos governou e será lembrado pela maneira como dedicou a sua vida ao serviço público."

Piñera assumiu o governo chileno pela primeira vez em 11 de março de 2010, poucos dias depois de um terremoto que matou mais de 500 pessoas e foi o mais intenso do país desde 1960. Agora, morre em meio a outra tragédia, a pior desde o tremor de 14 anos atrás: os incêndios que assolam a região de Valparaíso e já deixaram mais de 130 vítimas.

Nascido no dia 1º de dezembro de 1949, em Santiago, o ex-presidente era filho de José Piñera Carvallo, fundador do Partido Democrata Cristão do Chile e embaixador do país na ONU (Organização das Nações Unidas) e na Bélgica.

Engenheiro como seu pai, Piñera fez fortuna nos anos 1980 como pioneiro dos cartões de crédito no Chile. Após uma temporada nos Estados Unidos na década de 1970, durante a qual estudou na Universidade Harvard, o político voltou para o Chile e trabalhou como consultor no Banco Interamericano de Desenvolvimento e no Banco Mundial. Votou contra a ditadura no plebiscito de 1988 e foi eleito o senador mais jovem do país em 1990.

Em seu primeiro mandato na Presidência, ele representou a coalizão de centro-direita Aliança pelo Chile. O pleito marcou o fim de um ciclo de 20 anos de poder da Concertação —coalizão de centro-esquerda que governou o país desde o fim da ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990). A vitória de Piñera à época representou o primeiro triunfo da direita em uma eleição presidencial no país desde 1958.

Criticado pela esquerda por ter o apoio de setores que sustentaram a ditadura militar, Piñera se moveu ao centro nessa eleição, acenando com propostas liberais como a união civil homossexual e a entrega gratuita da pílula do dia seguinte. Em seu primeiro mandato, referiu-se aos apoiadores da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) como "cúmplices passivos".

Na primeira passagem pela Presidência, o Chile passou por um rápido crescimento econômico e uma queda acentuada no desemprego. Naquele momento, muitos dos parceiros comerciais e países vizinhos enfrentavam um crescimento acentuadamente mais lento.

Já na sua última eleição, chegou ao poder tanto com o apoio da extrema direita (como o pinochetista José Antonio Kast) como de desiludidos da centro-esquerda. No começo dessa segunda gestão, seu principal desafio foi encontrar um caminho ao centro para promover a conciliação entre ambos grupos.

Ela terminou marcada por protestos violentos contra a desigualdade que levaram a acusações de violações dos direitos humanos e foram cessados com a promessa do governo de redigir uma nova constituição —contexto que abriu as portas para o esquerdista Gabriel Boric, atual presidente do Chile, chegar ao poder.

Antes de ocupar a Presidência, o nome de Piñera passou a aparecer mais no noticiário brasileiro por sua ligação com a empresa aérea chilena LAN, da qual era o principal acionista. Em 2010, a LAN se fundiu com a brasileira TAM, formando a Latam.

A mesma tragédia ocorrida com Piñera matou o fundador da TAM, Rolim Adolfo Amaro, conhecido como comandante Rolim. Em 8 de julho de 2001, o helicóptero em que estava Rolim, 58, caiu perto de Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia na fronteira com o Brasil.

O presidente Lula (PT) lamentou nas redes sociais a morte do político. "Surpreso e triste com a morte de Sebastián Piñera, ex-presidente do Chile. Convivemos, trabalhamos pelo fortalecimento da relação dos nossos países e sempre tivemos um bom diálogo, quando ambos éramos presidentes, e também quando não éramos. Muito triste seu falecimento de forma tão abrupta. Meus sentimentos aos seus familiares e amigos de Piñera por essa perda", afirmou Lula no X.

A Presidência da Argentina também emitiu um comunicado oficial. "O gabinete do presidente lamenta o trágico falecimento de Sebastián Piñera", afirmou em nota. "Em nome do Estado argentino, enviamos condolências a seus familiares, amigos e a todo o povo chileno."

A Câmara dos Deputados da Argentina chegou a fazer um minuto de silêncio enquanto discutia o pacote de reformas liberais de Milei chamado de "lei ônibus" no plenário, depois que um dos parlamentares anunciou a morte de Piñera ao microfone.

O uruguaio Luis Lacalle Pou disse conhecê-lo há vários anos. "Sempre teve uma atitude positiva em relação ao Uruguai e pessoalmente. Como prova, basta nomear seu apoio com a logística oferecida para a chegada das vacinas durante a pandemia. Aos chilenos e à sua família, meus pêsames. Descanse em paz", escreveu.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

Com prejuízo de R$ 500 mi, Carrefour anuncia o fechamento de 123 lojas

Entre as unidades fechadas, 16 são hipermercados da própria marca; os demais são de bandeiras Todo Dia, Nacional e Bom Preço

Cotidiano

Congestionamento na Rodovia Anchieta já passa de 10 quilômetros

Cinco pontos do Sistema Anchieta-Imigrantes apresentam congestionamentos em direção ao Litoral; confira quais

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter