Maduro diz ser alvo de 'campanha de difamação'

O ditador disse que pretende pedir que o governo colombiano pague indenização devido ao grande número de migrantes que moram no país

Comentar
Compartilhar
12 SET 2018Por Folhapress00h30
Maduro afirmou que a crise humanitária pela qual o país passa faz parte de uma 'campanha mundial de difamação'Maduro afirmou que a crise humanitária pela qual o país passa faz parte de uma 'campanha mundial de difamação'Foto: Associated Press

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou nesta segunda-feira (10) que a crise humanitária pela qual o país passa faz parte de uma "campanha mundial de difamação" para derrubá-lo e que pretende pedir uma indenização a Bogotá devido ao número de imigrantes colombianos que vivem na Venezuela.

As declarações fizeram parte da primeira manifestação pública do ditador após o jornal americano The New York Times ter revelado um encontro entre militares rebeldes do regime e representantes de Washington, o que segundo o ditador comprova que países estrangeiros trabalham contra seu governo, em especial os Estados Unidos.

A notícia do jornal americano e as preocupações manifestadas pelos governos de Brasil e Colômbia fazem parte de uma "campanha mundial de difamação para justificar que na Venezuela se dê algum evento extraordinário fora da Constituição: um golpe de Estado como denuncia o New York Times", disse Maduro a jornalistas.

O ditador disse que pretende pedir que o governo colombiano pague indenização devido ao grande número de migrantes que moram no país.

"Vamos recorrer a todos os canais legais internacionais para compensar a Venezuela por todos os colombianos que receberam cuidados, trabalho, saúde, educação, sem nunca nos queixarmos. A campanha oligárquica do governo colombiano é uma desfaçatez" afirmou ele.

"Há uma ideia que eu aprovo de fazer uma demanda internacional para pedir uma indenização do governo colombiano pelos 5,6 milhões de colombianos que estão aqui."

O número citado por Maduro, porém, está muito acima dos 721 mil colombianos que vivem no país segundo o censo do próprio governo -a Colômbia afirma que são 940 mil.

A Colômbia é o principal destino dos cerca de 1,6 milhão de pessoas que deixaram a Venezuela para fugir da crise que atinge o país e que levou a um desabastecimento generalizado e a uma inflação que pode chegar a 1.000.000% ao ano, segundo o FMI.

O governo Maduro, porém, diz que as informações são exageradas e que apenas 600 mil pessoas deixaram o país.

Maduro afirmou também que atualmente 30% da população venezuelana é formada por migrantes do Peru, Portugal, Itália, Espanha, China e Colômbia, entre outros países, sem apresentar dados para comprovar a afirmação.

O ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, disse que isso prova que as notícias que mostram a crise humanitária no país não passam de montagens para justificar uma agressão dos Estados Unidos.

O New York Times informou no sábado (8) que diplomatas americanos se reuniram secretamente com militares venezuelanos que planejavam um golpe contra Maduro.

As reuniões incluíram um ex-comandante militar venezuelano que aparece na lista de sancionados pelo governo americano. Mas os Estados Unidos não deram apoio material aos dissidentes e os planos de um golpe fracassaram após a recente prisão de dezenas de militares rebeldes.