Maduro ameaça ir às armas caso haja risco de destruição da revolução bolivariana

O presidente pediu que o mundo escutasse esse alerta, transmitido em cadeia de rádio e televisão no país, depois de três meses de protestos que deixaram 76 mortos

Comentar
Compartilhar
28 JUN 2017Por Agência Brasil00h30
Nicolás Maduro ameaça ir às armas caso haja risco de uma destruição da revolução bolivarianaNicolás Maduro ameaça ir às armas caso haja risco de uma destruição da revolução bolivarianaFoto: Associated Press

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta terça-feira (27), durante um ato político em Caracas, que o chavismo deveria ir às armas no país para fazer o que não pode ser feito com votos, caso haja risco de a revolução bolivariana ser destruída no país. A informação é da agência EFE.

"Se a Venezuela afundar no caos e na violência, se a revolução bolivariana for destruída, nós iríamos ao combate, nós jamais nos renderíamos e faríamos com as armas o que não se pode fazer com os votos. Libertaríamos nossa pátria com as armas", disse Maduro.

Ele pediu que o mundo escutasse esse alerta, transmitido em cadeia de rádio e televisão no país, depois de três meses de protestos que deixaram 76 mortos. Maduro afirmou que seu governo é a "única opção" de paz no país. "Quem ninguém se engane: queremos a paz, somos homens e mulheres de paz, mas somos guerreiros", completou o presidente.

O líder da oposição Henrique Capriles disse que o presidente "declarou guerra" aos venezuelanos com as afirmações de hoje. Já Maduro afirmou que a escolha de uma Assembleia Nacional Constituinte para redigir uma nova Carta Magna para o país é o "único caminho para conseguir a paz" na Venezuela.

A Mesa da Unidade Democrática, principal aliança de oposição, chamou seus simpatizantes para continuar protestando nas ruas do país e para impedir que os centros eleitorais sejam usados para uma fraude no próximo dia 30 de julho, data marcada para a eleição da Assembleia Nacional Constituinte.

O governo de Maduro alertou que qualquer sabotagem ao processo eleitoral será punido com prisão.