X
Mundo

Kerry defende acordo comercial em última viagem como secretário de Estado

O secretário de Estado admitiu que o futuro do acordo comercial é incerto sob a administração Trump, mas disse acreditar que o comprometimento dos EUA com a região não vai mudar

John Kerry defendeu a Parceria Transpacífica (TPP) / Associated Press

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, em sua última viagem como principal representante da diplomacia norte-americana, defendeu a Parceria Transpacífica (TPP), acordo comercial que o presidente eleito Donald Trump prometeu rejeitar, e pediu que países evitem atos de provocação no Mar do Sul da China.

"Não posso prever o que a nova administração vai fazer com o comércio, mas posso dizer com certeza que as razões fundamentais para a TPP não mudaram", disse Kerry a alunos da Universidade de Tecnologia e Educação na cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã. Segundo ele, os EUA não vão crescer a menos que possam vender produtos para outros países. 

O secretário de Estado admitiu que o futuro do acordo comercial é incerto sob a administração Trump, mas disse acreditar que o comprometimento dos EUA com a região não vai mudar. "A mudança de administração em Washington não vai alterar ou enfraquecer os compromissos dos EUA com a prosperidade, estabilidade e segurança da região Ásia-Pacífico", disse Kerry, acrescentando que "nossa amizade não depende de indivíduos ou personalidades"

O secretário de Imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, disse que o presidente Barack Obama dedicou boa parte de seu último mandato à TPP. Segundo Earnest, o acordo permitiria aos EUA impor padrões de direitos humanos, trabalhistas, ambientais mais elevados, além de oferecer proteção à propriedade intelectual e permitir que companhias norte-americanas tivessem acesso a algumas das economias de crescimento mais rápido.

O acordo eliminaria cerca de 18 mil tarifas que outros países impõem sobre produtos dos EUA, disse Earnest. "Mas, infelizmente, o Congresso não tomou nenhuma atitude em relação ao acordo que a administração Obama negociou, o que é uma pena, já que há indicações de que outros países estão prontos para levar o acordo adiante sem os EUA", disse. 

No Vietnã, Kerry disse ainda que os EUA e o país asiático apoiam a segurança e a liberdade de navegação e sobrevoo no Mar do Sul da China, área reivindicada como um todo ou em parte por Vietnã, China e outros quatro países. 

"Acreditamos que todos os países da região, grandes ou pequenos, devem evitar atos de provocação que aumentem a tensão ou levem a uma maior presença militar na área", disse Kerry. 

Depois do Vietnã, Kerry viaja para Paris, onde participa da Cúpula de Paz no Oriente Médio, e para Londres, onde se reúne com o secretário de Relações Exteriores Boris Johnson para discutir a Síria. Sua viagem termina em Davos, onde participa do Fórum Econômico Mundial, em 18 de janeiro. Dois dias depois, Trump toma posse, assim como o sucessor de Kerry, Rex Tillerson. 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

São Vicente

Demanda antiga da população, Rua Maria Pacheco Nobre recebe novo asfalto

Localizada no bairro Náutica III, via também passou por obras de drenagem, que vão melhorar o escoamento das águas pluviais

Cotidiano

Frente fria chega nessa madrugada e Região terá chuva até quarta

O domingo já começou nublado e deverá permanecer assim, com pouquíssimas aberturas de sol

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software