Grandes nações não deveriam intimidar países menores, diz Obama

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou nesta terça-feira (24) a criticar a China pela pressão aos países da Ásia, em discurso no Vietnã

Comentar
Compartilhar
24 MAI 2016Por Folhapress14h00
Grandes nações não deveriam intimidar países menores, diz ObamaGrandes nações não deveriam intimidar países menores, diz ObamaFoto: Associated Press

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou nesta terça-feira (24) a criticar a China pela pressão aos países da Ásia, em discurso no Vietnã. "As grandes nações não deveriam intimidar as menores", disse.

A crítica é feita um dia após a liberação da venda de armas americanas ao país do Sudeste Asiático. Embora ele negue ser uma resposta a Pequim, os EUA reforçam sua presença na Ásia para contrabalançar a influência chinesa.

No discurso, ele defendeu o apoio aos países da região para evitar o avanço chinês no mar do Sul da China. "Os Estados Unidos não reivindicam territórios, mas estamos com nossos parceiros para garantir o direito à navegação", afirmou.

"O Vietnã terá um acesso maior aos equipamentos que precisa para melhorar sua segurança. As nações são soberanas e não importa quão grande ou pequena seja, seu território deve ser respeitado. As disputas devem ser pacíficas".

A porta-voz da Chancelaria chinesa, Hua Chunying, criticou a declaração. "A liberdade de navegação que eles falam, trata-se de uma liberdade usufruída por todos, ou um privilégio para os navios e aviões americanos?", ironizou.

"Se é a primeira, claro que nós recebemos isso de braços abertos, nós protegemos e certamente apoiamos isso, mas se é a segunda, eu acho que a comunidade internacional não concordaria".

Depois do discurso em Hanói, Obama viajou a Ho Chi Minn, a antiga Saigon, maior cidade do país. Lá, visitou um grupo de jovens empreendedores e foi ao Pagode do Imperador de Jade, um dos principais templos budistas vietnamitas.

DIREITOS HUMANOS

O discurso foi acompanhado por mais de 2.000 pessoas em um teatro em Hanói e exibido ao vivo na TV estatal. Assim como em Cuba, a fala foi transmitida sem cortes, mesmo quando criticou as violações de direitos humanos no país.

Aos vietnamitas, ele defendeu os benefícios da democracia e da liberdade de expressão. "Quando os candidatos podem se apresentar livremente, o país é mais estável porque os cidadãos sabem que seus votos são considerados", disse.

Para ele, o país asiático não deve temer o apoio a estes direitos. "Os EUA não estão tentado impor a forma americana de governo no Vietnã. O país deve ser mais aberto a críticas para poder crescer mais forte e próspero".

Pouco antes do discurso, três importantes dissidentes vietnamitas foram impedidos de assistir os discursos, seja por prisão domiciliar ou por inspeção a suas casas —o blogueiro e jornalista Pham Doan Trang, o ex-banqueiro Nguyen Quang A e o advogado de ativistas Ha Huy Son.

As prisões levaram a novas críticas de ativistas a Obama. "O Vietnã mostra que não merece os laços mais próximos que os EUA oferecem. Isto é um abuso aos direitos humanos", disse John Sifton, da ONG Human Rights Watch.