EUA voltam a bombardear Iêmen após operação que matou militar americano

Assolado por uma guerra civil, o Iêmen tem o controle de seu território fragmentado entre forças do governo, rebeldes xiitas, separatistas e extremistas da Al Qaeda

Comentar
Compartilhar
02 MAR 2017Por Folhapress19h00

Uma série de ataques aéreos dos Estados Unidos nesta quinta-feira (2) matou ao menos quatro militantes da rede terrorista Al Qaeda em uma região montanhosa no sul do Iêmen, segundo autoridades iemenitas.

Os bombardeios ocorrem pouco mais de um mês após uma operação de forças especiais dos EUA, na mesma região, ter terminado com um fuzileiro americano morto, seis soldados feridos e a perda de uma aeronave militar. Sobreviventes relatam que ao menos 25 civis iemenitas morreram nesse ataque, incluindo dez crianças e nove mulheres.

As falhas renderam duras críticas ao presidente Donald Trump, que autorizou a operação dias após tomar posse.

No início de fevereiro, o jornal "The New York Times" afirmou que o governo iemenita havia retirado a autorização que permitia aos EUA conduzir ações de combate ao terrorismo em solo no país.

A Al Qaeda tem no Iêmen sua filial mais perigosa, segundo o governo americano.

Assolado por uma guerra civil, o Iêmen tem o controle de seu território fragmentado entre forças do governo, rebeldes xiitas, separatistas e extremistas da Al Qaeda.