Descontrole da pandemia na Índia pode impactar o mundo, dizem especialistas

País asiático tem dificuldades para conter surto da doença, e temor de novas variantes assustam infectologistas

Comentar
Compartilhar
12 JUL 2021Por Da Reportagem17h29
Atualmente, uma das variantes que podem mudar os rumos da pandemia no planeta é a DeltaAtualmente, uma das variantes que podem mudar os rumos da pandemia no planeta é a DeltaFoto: Divulgação/Fiocruz

O descontrole da pandemia causada pelo novo coronavírus na Índia tem preocupado autoridades do mundo inteiro. No último dia 14 de junho, o país registrou 6 mil mortes em apenas 24h, número que chocou infectologistas de diversos países.  O governo de extrema-direita Narendra Modi não tem conseguido dar respostas efetivas à doença e o risco de que novas variantes da covid-19 possam se fortalecer assombram o mundo.

Atualmente, uma das variantes que podem mudar os rumos da pandemia no planeta é a Delta. Enquanto países da Europa e também os Estados Unidos começam a flexibilizar as medidas restritivas, incluindo o uso de máscaras, especialistas acreditam que uma nova onda de casos e óbitos podem ocasionar uma regressão nos avanços conquistados até o momento na luta contra a pandemia.

Segundo o Jornal 365, a variante Delta já foi encontrada em ao menos 74 países. As informações da Organização Mundial da Saúde foram divulgadas pelo site de notícias econômicas Market Watch. A variação foi detectada pela primeira na Índia, mas agora já está em países como EUA e Reino Unido, gerando grande pavor nas autoridades médicas.

No Reino Unido, o clima é de apreensão. Notícias veiculadas em jornais como The Guardian mostram que a variante é responsável por 90% dos casos que surgiram na região na semana passada. O primeiro-ministro Boris Johnson adiou a abertura programada para este período. A ideia é esperar ao menos quatro semanas para uma nova avaliação do cenário.

No país presidido por Joe Biden, os casos também estão assustando. Apesar de a vacinação estar acelerada, a FDA, responsável pela liberação de vacinas e também das análises referentes à pandemia, afirmou que os casos dobraram nas últimas duas semanas. “Acho que há um risco de no outono [no hemisfério Norte] isso desencadear uma nova epidemia", afirmou Scott Gottlieb, secretário do órgão, em entrevista à CBS.

O temor é ainda maior nos EUA porque diversos estados estão promovendo grandes reaberturas. A agência Associated Press informou que a Califórnia prepara uma "Grande Reabertura", na famosa ponte Golden State, para celebrar uma nova época. A ideia é acabar com as regras de distanciamento social nem limites de lotação em restaurantes, bares, supermercados e estabelecimentos semelhantes.

Segundo a rede britânica BBC, a situação da Índia deve piorar nas próximas semanas. Para o repórter especialista em ciência e saúde da BBC James Gallagher, a Índia está "batalhando". "O medo palpável me lembra do início da pandemia, quando o coronavírus ainda era uma entidade desconhecida. A covid pode ser letal mesmo com cuidados médicos perfeitos, mas quando os hospitais ficam sobrecarregados, as vidas que poderiam ter sido salvas são perdidas.”

Mas isso não significa que o país deve colher resultados positivos desta batalha. "Infelizmente, nas próximas semanas a situação vai piorar significativamente", adverte Gallagher. Ele complementa. "Mesmo se a Índia pudesse impedir a propagação do vírus, as mortes continuariam a aumentar exponencialmente, pois muitas pessoas já foram infectadas. Claro, não há sinal de que as infecções estão se estabilizando - até onde os casos continuarão a subir dependerá do sucesso dos lockdowns e do ritmo da imunização."

O especialista adverte que a pandemia é um problema global e que qualquer descontrole pode causar um novo surto mundial. Ou seja: é preciso controlar a pandemia em um esforço conjunto. "O coronavírus foi detectado pela primeira vez em uma cidade na China, agora está em todos os lugares. O número recorde de casos na Índia pode se espalhar para outros países, razão pela qual muitos introduziram restrições de viagem, e altos níveis de infecção são um terreno fértil para novas variantes do vírus", completou Gallagher.