X
Mundo

Congresso dos EUA vota versão final de reforma tributária de Trump

A expectativa é de que a lei seja aprovada, na primeira reforma tributária dos Estados Unidos em 30 anos

Congresso dos EUA vota versão final de reforma tributária de Trump / Associated Press

Em uma demonstração de força da Casa Branca, o Congresso americano irá votar, nesta terça (19), a versão final da reforma tributária do presidente Donald Trump, que baixa o imposto de empresas, mas deve provocar um aumento das alíquotas para a classe média no médio prazo.

A expectativa é de que a lei seja aprovada, na primeira reforma tributária dos Estados Unidos em 30 anos.
Será uma vitória significativa para Trump, depois de ter fracassado ao tentar derrubar o Obamacare e ver a maioria republicana no Senado ser reduzida a uma cadeira, com a eleição de um democrata no Alabama na semana passada.

O texto já foi votado na Câmara e no Senado, mas uma versão final ainda precisa ser consolidada na sessão desta terça. A Câmara deve começar a votação por volta das 16h de Brasília. Em seguida, o texto segue para o Senado, onde deve ser aprovado até o final do dia por uma estreita maioria republicana, que aparenta ter chegado a um consenso sobre a lei.

Trump tem chamado a medida de "um presente de Natal" para os americanos, embora a reforma tenha sido criticada por beneficiar milionários e empresas, além de representar um custo de US$ 1 trilhão (R$ 3,3 trilhões) ao orçamento federal pelos próximos dez anos, em função da perda de arrecadação.

"No geral, as famílias de renda mais alta terão mais cortes de impostos", informou o Tax Policy Center, que fez uma análise do texto final da lei.

Grande parte dos cortes de impostos vai até 2025. Depois, a maioria dos americanos verá uma alta nas alíquotas. Já o imposto de renda para empresas cairá de 35% para 20%, o que, segundo os republicanos, vai melhorar a competitividade do país, estimular a economia e garantir mais empregos.

Democratas criticaram a pressa na aprovação da lei, e afirmam que ela aumentará a dívida pública e não dará garantia de novos empregos, mas beneficiará prioritariamente grandes corporações e milionários -inclusive Trump, cujas empresas terão uma redução estimada de US$ 1 bilhão (R$ 3,3 bilhões) em impostos, de acordo com o "New York Times".

"Os cortes serão pequenos e temporários para a maior parte dos americanos", declarou o senador democrata Chris Van Hollen.

O presidente da Câmara, o republicano Paul Ryan, rebateu as críticas. "Não estou preocupado. Os resultados vão tornar a lei popular", disse ele, durante coletiva de imprensa nesta terça. Ele voltou a defender que a lei irá estimular a economia e fazer o país crescer em torno de 3% no ano que vem.

Num movimento para garantir os votos necessários à medida, o vice-presidente Mike Pence, que também é presidente do Senado, adiou uma viagem ao Oriente Médio para garantir o voto de minerva, caso haja empate na votação na Casa.

No Brasil, analistas temem que a reforma afaste investimentos do país, já que o corte de impostos tornaria mais atrativo para multinacionais declararem lucro nos EUA.

Trump pretende assinar a versão final da lei até o final desta semana.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Prefeitura intensifica fiscalizações em áreas ocupadas irregularmente

Comissão Especial coordenou ações, que visam coibir novas invasões

Santos

Cães soltos causam transtorno em Santos

Vizinhança está apavorada com a segurança dos pedestres e dos próprios animais. Ninguém toma providência

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software