X
Mundo

China bane venda de bíblias na internet e aperta cerco contra cristãos

Veto surge em meio à ampliação do poder do presidente Xi Jinping, que recentemente teve permissão da cúpula do PC chinês para seguir indefinidamente no cargo

A medida também é concomitante às negociações entre Pequim e o Vaticano / Ilustração/Fotos Públicas

O governo da China baniu a venda de bíblias em lojas virtuais, em um passo que faz parte de novas regras para o controle da religião no país. O veto surge em meio à ampliação do poder do presidente Xi Jinping, que recentemente teve permissão da cúpula do PC chinês para seguir indefinidamente no cargo.

As medidas foram anunciadas no fim de semana e entrou em vigor na quinta-feira. As principais lojas online do país já não tinha na sexta-feira o livro sagrado dos cristãos para vender. Lojas como Amazon, JD e Taobao preferiram não comentar o caso.

A nova regulamentação se alinha com um esforço de longa data do governo para limitar a influência do cristianismo na China. Das grandes religiões praticadas no país, o cristianismo é a única que não pode ter seus textos sagrados vendidos amplamente no país. Impressa, a bíblia só pode ser vendida em canais religiosos. 

Com o surgimento das lojas digitais, criou-se uma brecha para tornar as bíblias disponíveis rapidamente. Na China, isso foi especialmente importante porque as compras digitais tornaram-se um fenômeno bastante comum. O endurecimento das regras é acompanhado também de um esforço de Xi para promover religiões tradicionais, como o taoismo e o budismo. 

A medida também é concomitante às negociações entre Pequim e o Vaticano para por um fim à cisão entre a Igreja Católica controlada pelo Estado chinês e igrejas informais que têm crescido no país.

Analistas dizem que as novas medidas podem indicar mais repressão. Na coletiva em que o veto foi apresentado, um porta-voz governamental afirmou que nunca o Vaticano terá controle da igreja chinesa. "Parece que a porção antivaticanista do governo chinês saiu vencedora", disse Yang Fenggang, chefe do Centro de Religiões Chinesas da Universidade de Purdue. /NYT 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

PG sedia Fórum Regional da Educação promovido pela UVEBS

Encontro teve como tema central os "Desafios Durante a Pandemia"

Política

Lula elogia Dilma, mas diz que, aparentemente, aliada 'não gostava de conversar'

Ao comentar que política não se aprende da Universidade, Lula declarou que, apesar da competência técnica da sua sucessora, ela parecia não estar aberta ao diálogo, e justificou afirmando que a experiência da Dilma "foi muito sofrida"

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software