Brasileiro é achado morto com 13 tiros na fronteira com o Paraguai; bilhete foi deixado junto ao corpo

Corpo da vítima foi encontrado, com marcas de pistola 9 mm, em um dos quartos da casa alugada onde ele vivia, no bairro Defensores Del Chaco

Comentar
Compartilhar
28 SET 2021Por Folhapress09h58
O brasileiro Rogério Laurete Buosi, de 26 anos, foi morto com treze tiros, dentro de casa, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.O brasileiro Rogério Laurete Buosi, de 26 anos, foi morto com treze tiros, dentro de casa, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.Foto: Reprodução/Redes Sociais


O brasileiro Rogério Laurete Buosi, de 26 anos, foi morto com treze tiros, dentro de casa, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na noite do último sábado (25). Segundo a polícia local, junto ao corpo foi encontrado um bilhete onde se lia o aviso: "não roubar na fronteira", assinado pelo grupo intitulado "Justiceiros da Fronteira".

Natural de Rondonópolis (MT), Rogério morava com a família em Araçatuba, no interior de São Paulo, e se mudou para o país vizinho em julho, supostamente a convite de amigos para trabalhar. Ele pretendia voltar ao Brasil em outubro.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e mantenha-se bem informado: https://bit.ly/diariodolitoral

Familiares contam que ficaram sabendo do crime por uma amiga de Rogério que também mora no Paraguai. O corpo da vítima foi encontrado, com marcas de pistola 9 mm, em um dos quartos da casa alugada onde ele vivia, no bairro Defensores Del Chaco.

Segundo a imprensa local, a polícia informou que não havia sinal de arrombamentos, o que sugere que a vítima conhecia o autor dos disparos; além disso, o local havia sido locado por um paraguaio, ainda não localizado para prestar depoimento, há um mês. A polícia não apontou o brasileiro como suspeito de crimes na região.

O corpo de Rogério chegou em Araçatuba e foi sepultado na noite desta segunda-feira (27). Procurado pelo UOL para esclarecer o andamento e acompanhamento do caso junto às autoridades paraguaias, o Itamaraty não prestou informações, mas garantiu estar prestando assistência à família.

*Com informações de Simone Machado, para o UOL