Após ataques, oposição pressiona por renúncia de May por cortes em segurança

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmou que May não está talhada para lidar com a segurança e com o processo de saída do país da União Europeia

Comentar
Compartilhar
05 JUN 2017Por Estadão Conteúdo19h30
Após ataques, oposição pressiona por renúncia de May por cortes em segurançaFoto: Agência Brasil

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, tem sido pressionada pela oposição, dias antes de eleições gerais. O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmou que May não está talhada para lidar com a segurança e com o processo de saída do país da União Europeia, o chamado Brexit. Corbyn criticou a premiê por seu papel no corte de pessoal da polícia durante sua gestão como secretária do Interior e pediu que ela deixe o governo.

A maior parte das estações do metrô londrino reabriram nesta segunda-feira no bairro onde o ataque ocorreu. O prefeito de Londres, Sadiq Khan, e a comissária de polícia, Cressida Dick, foram ao local do ataque e elogiaram o rápido trabalho da polícia, que segundo eles impediu mais mortes.

Dick disse nesta segunda-feira que o ataque foi "horrível", mas que os londrinos se unem e se recusam a ficar acovardados pelos extremistas. A autoridade disse que dar armas de fogo à polícia local não seria uma solução sensível para lidar com os ataques. Para a comissária de polícia, ter unidades especiais móveis com agentes fortemente armados é uma estratégia eficaz.