Turista com covid-19 fura bloqueio sanitário e é perseguida pela Guarda Civil Municipal

Após fugir, a mulher foi interceptada a cerca de um quilômetro da barreira e, na sequência, conduzida até a divisa e orientada a voltar para o município de origem

Comentar
Compartilhar
02 ABR 2021Por Estadão Conteúdo11h07
*Imagem meramente ilustrativa.*Imagem meramente ilustrativa.Foto: Divulgação/PMSS

Uma turista de 58 anos foi perseguida pela Guarda Civil Municipal na quinta-feira, 1º de abril, após furar o bloqueio sanitário ao testar positivo para a covid-19 em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. Após fugir, a mulher foi interceptada a cerca de um quilômetro da barreira e, na sequência, conduzida até a divisa e orientada a voltar para o município de origem, Campinas, de acordo com informações da prefeitura.

Cidades do litoral paulista têm feito barreiras sanitárias para desestimular a entrada de turistas durante o mega feriado antecipado por parte dos municípios de São Paulo. No caso de São Sebastião, o acesso principal está também com uma força-tarefa de testes rápidos para o novo coronavírus.

No município, ao menos 65 pessoas tiveram resultado positivo para a doença na barreira sanitária, que chegou a ser interrompida no sábado, 27, por ter causado congestionamento, mas foi retomada no dia seguinte.

"Por decreto municipal, pessoas contaminadas com coronavírus são direcionadas a retornar a seu município de origem", diz comunicado divulgado pela prefeitura.

Como noticiou o jornal O Estado de S. Paulo, São Sebastião não está utilizando a ocupação total de leitos de terapia intensiva por estar com estoque baixo de medicamentos para a intubação de pacientes. No boletim de quinta-feira, a UTI Respiratória estava com 40% de ocupação. A capacidade é de até 20 internados intubados, mas há seis com esse perfil no local, além de outros dois pacientes.

Todos os novos pacientes que precisam passar pelo procedimento são intubados e imediatamente cadastrados na central de regulação estadual para serem transferidos para hospitais de outros municípios.

Além da barreira sanitária, a cidade também instalou tapumes para restringir a um acesso por praia. Segundo a gestão municipal, metade das cerca de 100 barreiras foram vandalizadas na última semana, em praias como Juquehy, Boraceia, Barra do Una, Baleia, Camburizinho, Maresias e Toque-Toque Pequeno, dentre outras.