Suspeito morre em troca de tiros com a PM de Caraguatatuba

Havia um mandado de prisão contra ele pela operação ‘Código de Ética’

Comentar
Compartilhar
12 AGO 2020Por Mara Cirino19h33
Policiais também apreenderam armas, munições e celularesFoto: DIVULGAÇÃO

Um homem de 24 anos morreu na noite de terça-feira (11), em Caraguatatuba, Litoral Norte paulista, após trocar tiros com a Polícia Militar. Ele estava em uma pousada na Praia Martim de Sá, região central, quando os PMs foram ao local. Contra ele, havia um mandado de prisão expedido para a Operação ‘Código de Ética’, mas ele não foi localizado durante o dia.

Segundo a PM, com as investigações, chegou a informação de que W.M. estaria na pousada, por isso, os policiais foram até lá, momento que teriam sido recebidos a tiros. Eles teriam revidado contra o suspeito que estaria no banheiro.

Este foi o segundo caso de óbito na operação. O primeiro foi registrado mais cedo, em uma casa na Praia Brava, Costa Sul de São Sebastião, quando policiais que participavam da operação também teriam sido recebidos a bala.

Força-tarefa

 
  • Drogas, dinheiros e armas foram algumas apreensões feitas pela força-tarefa

A força-tarefa da Operação Código de Ética foi composta por equipes da Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar e Ministério Público e realizada na terça-feira nas cidades de Caraguatatuba, São Sebastião, Ubatuba, Taubaté e Campinas. Ela foi criada após uma longa investigação com base nos indicadores criminais após investigação do Ministério Público, que analisou as prisões relacionadas ao tráfico de drogas no Litoral Norte e chegou até os membros da organização.

Balanço divulgado nesta quarta-feira apontam que 31 pessoas foram presas, apreendidos R$ 43.993,00 e 20.000 pesos Colombianos em espécie, 8,776 quilos de maconha, 3,827 de cocaína, 515 gramas de crack, além de uma quantia de LSD.

Os policiais também apreenderam cinco revólveres calibre 38, uma pistola calibre 45, uma 3.65, um carregador de pistola calibre 9 mm, 34 munições diversas, 41 aparelhos celulares, três tablets, três notebooks, dois computadores, um pendrive, três cartões de memória, um chip para celular, oito balanças de precisão, quatro cadernos de anotações do tráfico de droga e uma folha de cheque.

Um dos presos nesta operação foi o vereador Flávio Nishiyama (PTB), de Caraguatatuba, e uma das acusações foi de associação criminosa. O chefão da organização foi preso em Campinas.