SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

Sete índios testam positivo para Covid-19 em aldeia de São Sebastião

Órgãos de Saúde testaram 372 indígenas da Aldeia Rio Silveira

Comentar
Compartilhar
14 JUL 2020Por Mara Cirino19h00
Índios da Aldeia de Boraceia são atendidos por equipes do Instituto ButantanFoto: Divulgação

Com o objetivo de saber como anda a saúde dos índios da Aldeia Guarani do Rio Silveira em relação ao novo coronavírus (Covid-19), localizada em Boraceia, na divisa entre os municípios de São Sebastião e Bertioga, no Litoral Norte paulista, órgãos de Saúde realizaram testes rápidos na comunidade.

Dos 372 testes rápidos sorológicos do tipo lgM/lgG feitos por profissionais do Instituto Butantan, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e projeto Saúde do Saber, sete foram positivados e coletadas 21 amostras para investigação médica de PCR.

A ação contou com parceria da Secretaria de Saúde (Sesau) da Prefeitura de São Sebastião, Fundação Nacional do Índio (Funai) e Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) paraa identificar se a pessoa teve contato com o vírus.

De acordo com a chefe do Serviço de Promoção dos Direitos Sociais e Cidadania (Sedisc) da unidade da Funai, Karina Ono, a ação prevê a testagem massiva com aplicação dos testes rápidos. Estes testes apontam, em cerca de 20 minutos, se há presença de vírus ativo (IgM) e se houve contato anterior com o vírus (IgG). Caso haja resultado positivo para o IgM, é realizada imediatamente a coleta para um segundo exame, o RT-PCR.

A análise do material coletado é feita em laboratório em São Paulo, e encaminhado via Vigilância Epidemiológica do município. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, que também compõe a ação, é responsável por articular com as unidades básicas de saúde do município para acompanharem a ação e fazerem os encaminhamentos dos eventuais exames RT-PCR.

Atualmente, a aldeia conta com 430 índios cadastrados na Funai, sendo 90 famílias distribuídas em 120 ocas. O objetivo da iniciativa é avaliar esses grupos, que são considerados vulneráveis, por meio de testes rápidos e tomar as medidas necessárias para barrar a disseminação do vírus.

Importante lembrar que, neste momento, as visitas à aldeia estão proibidas para evitar o contato de risco de contaminação da população indígena.

"Todas as aldeias do Estado poderão ser beneficiadas, desde que concordem com a realização da testagem", explica Karina Ono. Para ela, o isolamento é a etapa mais desafiadora da ação devido à ausência ou dificuldade de adaptação em estruturas prévias nas aldeias e a manutenção de um eventual espaço, com fornecimento de alimentação, camas/leitos, adaptação de banheiros com chuveiros, cozinha, cuidados médicos e transporte à rede estadual em casos graves.

“É fundamental uma atuação conjunta entre Sesai, Funai, Secretarias de Estado e Municípios para garantir locais adequados de isolamento nas aldeias", relata.