Para evitar turistas, litoral norte manterá praias fechadas em fim de semana

Os quiosques à beira-mar também permanecem fechados. Os quatro municípios da região somam 621 casos positivos e 15 mortes pela doença

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2020Por Estadão Conteúdo17h11
A prefeitura de Ubatuba liberou a prática de surfe de segunda a quinta-feiraFoto: Divulgação

Depois de 72 dias fechadas para os banhistas devido ao coronavírus, as praias do litoral norte de São Paulo foram reabertas nesta segunda-feira, 1º, mas voltam a fechar no fim de semana. O objetivo é evitar o fluxo de turistas, já que o uso das faixas de areia continua proibido. Os quiosques à beira-mar também permanecem fechados. Os quatro municípios da região somam 621 casos positivos e 15 mortes pela doença, e estão na faixa 2 (laranja) do plano estadual, que prevê a reabertura das atividades com restrições.

A prefeitura de Ubatuba liberou a prática de surfe, esportes aquáticos individuais, como natação, vela e canoagem, bem como exercícios físicos nas praias, apenas de segunda a quinta-feira. O uso de motos náuticas não foi liberado. Os acessos que estavam fechados foram reabertos, mas haverá fiscalização nos fins de semana. Cadeiras e guarda-sóis nas faixas de areia continuam proibidos. É obrigatório o uso de máscara e não se pode permanecer nas praias. "Sabemos que a flexibilização ainda é gradativa, mas estamos trabalhando para sairmos bem de tudo isso lá na frente", disse o prefeito Délcio Sato (PSD).

Em Caraguatatuba, a frequência às praias continua proibida, assim como estacionamento nas orlas fora do trecho da avenida Arthur Costa Filho, entre o Camaroeiro e a ponte do rio Santo Antônio. Os quiosques só reabrem na próxima fase (amarela). O trabalho dos ambulantes continuará proibido nas praias e em postos turísticos. O comércio voltou a funcionar com restrições das 14 às 18 horas. "Estamos comprometidos com uma retomada que se mostre viável para nossa economia e que não perca o foco primordial, que é a preservação de vidas", disse o prefeito Aguilar Junior (MDB).

A prefeitura de São Sebastião liberou a prática de atividades físicas individuais nas praias, mas somente de segunda a quinta-feira. Continua proibida a colocação de cadeiras e guarda-sóis na areia. Os hotéis precisam de autorização da prefeitura para receber hóspedes. Tapumes e barreiras que interditavam os acessos às praias começaram a ser retirados.

A prefeitura de Ilhabela reabriu as praias para atividades ao ar livre, individuais ou em dupla, mas as pessoas não podem se deitar na areia para tomar sol. As marinas voltam às atividades no próximo dia 8, mas serão obrigadas a seguir protocolos, como a não aglomeração em barcos e lanchas. Também a partir do dia 8, proprietários de imóveis que estão fora poderão cumprir o restante da quarentena no arquipélago. A entrada de carros com placas de outras regiões na ilha, pelo sistema de balsas, continua condicionada à aprovação pelo município.

Quarentena na Baixada Santista

As praias da Baixada Santista continuam fechadas para banhistas, mas o respeito ao bloqueio não é cumprido integralmente. Os nove municípios da região registram 430 mortes e 8,3 mil casos de coronavírus e estão na faixa 1 (vermelha), a mais restrita. Conforme o Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista, o governo aceitou proposta de rever a classificação, passando a região para a faixa 2 (laranja), o que deverá ser definido na quarta-feira, 3.

Contrariando o plano estadual, a prefeitura de São Vicente reabriu o comércio nesta segunda, 1º. As lojas abriram as portas e houve aglomeração em ruas do centro. A prefeitura alegou que está respaldada por lei municipal, publicada na última quinta-feira, 28, e adotou medidas para evitar a disseminação do vírus, como o uso obrigatório de máscaras. As praias foram liberadas para atividades esportivas individuais.

Em Santos, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) usou as redes sociais para lamentar o desrespeito à quarentena no domingo, 31, quando muitas pessoas foram às ruas e à orla da praia para tomar sol. "Família que saiu para passear, dar uma volta, aproveitar esse dia lindo de sol: será que a sua caminhada à beira mar vale mais do que a vida desses comerciantes que vão ter que continuar fechados por conta dessa sua atitude?", questionou.