Ilhabela quer Lei Seca após ‘invasão’ de turistas

Arquipélago já adotou um termo de responsabilidade para quem entra pela balsa

Comentar
Compartilhar
11 SET 2020Por Mara Cirino18h42
Praias ficaram lotadas no último final de semanaFoto: Reprodução/Redes Sociais

A Prefeitura de Ilhabela, no Litoral Norte Paulista, estuda a implantação de uma Lei Seca a partir deste final de semana para se precaver de uma possível ‘invasão’ de turistas como o ocorrido no feriado prolongado da Independência.

Objetivo é reforçar as ações de orientação aos turistas, como a assinatura de um termo de responsabilidade na entrada da cidade, pela travessia da balsa, efetivada na semana anterior.

Agora, a administração do arquipélago solicita ao governo do estado de são Paulo uma ‘Operação Lei Seca’ que visa coibir o mau comportamento da população. “Hoje, não são nem as prefeituras, nem os estabelecimentos formais os responsáveis, pois estes não conseguem coibir as pessoas que simplesmente ignoram as boas regras de convivência e a pandemia”, afirma a secretária de Turismo, Bianca Colepícolo.

Ela conta que já entrou em contato com todos os membros da Associação das Prefeituras das Cidades Estâncias do Estado de São Paulo (Aprecesp) e da Associação dos Prefeitos dos Municípios de Interesse Turístico do Estado de São Paulo (Amitesp) para pensar em medidas de contenção

Conforme a Prefeitura, há ajuda da Polícia Militar que tem feito a ação ‘Efeito Sonoro’ com o objetivo de evitar festas. A Fiscalização adotou a medida de ‘Tolerância zero’, com aplicação de multas, registros de boletins de ocorrências e fechamento de estabelecimentos que continuam abertos após o horário permitido, às 23h.

Durante o feriado foram quase 30 notificações e multas da equipe de fiscalização a estabelecimentos que não estavam cumprindo os protocolos sanitários, em especial horário.

“Apesar de todas as providências, infelizmente, por falta de conscientização das pessoas, ainda ocorrem grandes concentrações de pessoas na rua, durante a madrugada. Essas pessoas também são responsáveis por grande produção de lixo em praias e área urbana”, destaca a administração.

De acordo com a secretária de Turismo, a Prefeitura de Ilhabela tem uma política de promover o turismo e evitar a visitação de pessoas que apenas usufruem do espaço público gratuito e acabam deixando um custo para o município com lixo, trânsito, segurança e saneamento, geralmente em excursões irregulares.

Outras ações desenvolvidas pelo município, conforme Bianca Colepícolo, são a colocação de monitores em todas as praias e brigadistas em alguns lugares críticos (como Perequê, Curral e Castelhanos).

Ainda segundo ela, todas as trilhas só têm acesso com guias e em grupos de no máximo seis pessoas para evitar o descumprimento das normas e a aglomeração nas cachoeiras. Carros de som continuam percorrendo a cidade para orientar a população.