Balão de quase 20 metros cai em Barra do Una e causa apreensão

De acordo com os policiais da 3ª Companhia da Polícia Militar Ambiental Terrestre, eles avistaram o balão caindo e fizeram o acompanhamento até conseguiu recolher o artefato

Comentar
Compartilhar
21 JUN 2020Por Da Reportagem14h27
O balão tinha aproximadamente 20 metros.Foto: Divulgação

Um balão de aproximadamente 20 metros de comprimento caiu neste sábado em Barra do Una, na Costa Sul de São Sebastião, Litoral Norte Paulista. Ele foi apreendido por policiais ambientais que faziam patrulhamento pela região. De acordo com os policiais da 3ª Companhia da Polícia Militar Ambiental Terrestre, eles avistaram o balão caindo e fizeram o acompanhamento até conseguiu recolher o artefato. 

Ainda conforme a polícia, tratava-se de um tipo específico conhecido como ‘Balões Ecológicos’, inflados com ar quente ou gás, que também estão proibidos. A Resolução SMA-048/14 define que no Estado de São Paulo entende-se por balões qualquer artefato inflado com ar quente ou gás, não tripulado, sem regulamentação ou autorização do órgão competente da aviação civil ou militar, que utilize ou não fogo, com potencial de combustão em caso de contato com qualquer superfície ou estrutura, expondo a risco o meio ambiente.

A Polícia Ambiental informou que não foi possível identificar o responsável pela soltura do balão, entretanto, existem informações de que teria ocorrido um evento clandestino de baloeiros na região de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, de onde, provavelmente, foi feita a soltura do material apreendido.

Este tipo de crime está tipificado no artigo 261 do Código Penal que prevê pena de 4 a 12 anos de reclusão. Importante destacar que na aviação, os balões podem colidir com aeronaves, enroscar nas turbinas dos aviões, provocar incêndios ou até mesmo cair na pista sobre aeronaves em abastecimento. O choque de um balão de 50 quilos contra um avião voando a 450km/h gera uma força de até 100 toneladas.

Conforme o policiamento ambiental, o material apreendidoserá destruído. 

Denúncias podem ser feitas pelo telefone (12) 3886.2200.